Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Vou estender as emoções

01.06.19, Alice Alfazema

 

Já é Junho...

1.jpg

 

 

O tempo molda-nos o corpo e põe-nos moles com este calor, é uma moleza profunda, que vem do fundo do ser, e deixa-nos sem acção. É assim como aquelas pessoas que nos sugam a energia mesmo sem querermos, porque não conseguimos fugir delas fisicamente, tal como quando estamos debaixo do calor, não que essas pessoas sejam um sol, mas antes um buraco negro, porque a sua energia é densa.

 

2.jpg

 

 

Vivemos num espaço reduzido, onde caminhamos lado a lado, sem olhar para os lados. Como animais vedados há quem se veja sempre só e em sofrimento: sem olhar para o lado estamos sempre sós e em sofrimento. 

 

 

3.jpg

 

 

Os anos passam e não aprendem, ficam assim velhos refinados de ódios, vivem de conquistas passadas e detestam o presente. Querem impor a sua verdade. Isto cansa-me. Ficam buracos negros densos e profundos e orgulham-se disso. O buraco agiganta-se, arrastando tudo à sua volta.

 

 

4.jpg

 

 

Tenho de estender as minhas emoções num estendal que fique bem alto, junto de grandes árvores, no alto de uma grande montanha para que apanhe as brisas de Junho, algo que me leve para longe desta massa densa e viscosa da qual não quero fazer parte. 

 

5.jpg

 

Quero que este mofo acabe em cheiros de flores silvestres. Dizem-me para respirar fundo, que estou deprimida, que estou ansiosa, que é do cansaço. É do cansaço sim: de não me resignar.

 

 

As ilustrações são de Bannon Fu

 

Comentar:

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.