Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Uma viagem de Traineira

( a todos os trabalhadores do Mar)

13.09.20, Alice Alfazema

0.jpg

 

Se a minha avó materna fosse viva, faria hoje cento e três anos, uma mulher de garra, activa, que nasceu no tempo da grande pandemia, que teve dois filhos na época da Segunda Guerra Mundial, que trabalhou sempre na indústria conserveira, desde os seus nove anos de idade, que andou descalça, que passou fome, que manteve sempre o  seu sorriso e o seu optimismo até ao final.  É à sua memória que recorro sempre que preciso de me orientar.  As pessoas não morrem e desaparecem para sempre, as pessoas ficam em nós, a nossa visão da morte é muito limitada, por isso é que tão importante conversarmos, darmos exemplos, partilharmos a nossa experiência, no fundo, darmo-nos aos outros do presente para o futuro, não do nosso futuro, mas daquele em que havemos de já cá não estar.  

 

20200829_093849.jpg

 

Como hoje é domingo, e é um dia de recordar momentos bons, e o Verão está prestes a acabar,  e o tema é relacionado com aquilo que escrevi acima, partilho aqui um texto que escrevi a convite do Robinson, para o blogue colectivo SardinhaSemLata. Assim e numa perspectiva de sardinha livre, eis um domingo da minha vida, em meados dos anos oitenta do século passado. As fotografias foram tiradas por mim, e para que fique encadeado o assunto e as imagens sugiro que leiam os nomes dos barcos. Aproveitei, ainda, o primeiro paragrafo desse texto para preencher o meu perfil aqui no blogue - após dez anos de existência.

20200829_094101.jpg

 

O peixe sempre fez parte da minha vida, desde o seu cheiro às suas entranhas. Um peixe escamado é mais vulnerável, um peixe de olhos vermelhos não interessa a ninguém, o peixe fresco é aquele que ainda tem sabor a mar, e o mar é a imensidão das possibilidades que podemos usufruir. 

 

20200829_094258.jpg

 

Num Verão, já muito distante, passei muitos domingos de Sol a bordo de uma traineira.

É de um dia destes que vos vou falar, talvez não seja um só dia, mas a mistura de todos eles, são aqueles pormenores que de vez em quando recordo, são lembranças de mim enquanto criança que despertam agora para o quotidiano. Naquele tempo, o meu pai trabalhava numa traineira azul clara, que tinha nome de homem; os donos, um casal sem filhos, gostavam de passear pelo Sado ao domingo e, apesar da faina diária e de ser dia de folga, era nesses dias que pairava a descontracção e a vontade de usufruir do Rio, de Tróia e da Serra da Arrábida. Assim, partíamos de manhãzinha, quando a neblina ainda estava agarrada às águas do Sado, o Sol despontava também animado com a nossa viagem, carregávamos a comida para o bote e depois para o barco. A minha bagagem era simples, uma toalha de praia e expectativas, muitas. Avizinhava-se um dia em grande, quanto mais comprido fosse melhor, ninguém se importava de se levantar cedo, tenho a noção que nem dormia bem durante a noite, à espera que ela acabasse. O roncar do motor do barco acordava as gaivotas que por ali houvesse, o meu pai acendia um cigarro e exalava o fumo enquanto largava as amarras, depois, numa manobra elegante e experiente, o Mestre retirava o barco do porto e levava-o para o Rio. A brisa cobria tudo, cheirava a manhã e a rio, a espuma branca ladeava o barco, criando ondas na popa, o bote que ia agarrado com uma corda lançava-se nessas ondas como se tivesse medo de ficar sozinho. Íamos até à Ponta do Verde, se havia muita gente rumávamos até à Caldeira e fundeávamos aí o barco, umas vezes mais ao largo, outras mais perto de terra, quase sempre se via a fatexa no fundo, mas havia outras em que a água estava tão verde escura que tudo parecia ser possível acontecer naquele lugar, pelo menos na minha imaginação. A manhã era passada ali, onde eu e o meu irmão dávamos uns mergulhaços bombásticos, e não havia direito a ter medo, porque se tal acontecesse o meu pai fazia o favor de nos amandar borda fora. Era um sobe e desce da água para o barco, até que a fome se agigantava a cada cinco minutos e fazia-nos ouvir os roncos do nosso próprio estômago. Lá para as onze da manhã os adultos começavam a preparar o almoço, acendia-se o fogareiro, salgava-se o peixe, coziam-se batatas e fazia-se salada de tomates com pimentos assados. Quando as batatas estavam cozidas juntavam-se à salada (que isto de estar num barco pequeno exige muita logística!), assim numa só taça ficavam as batatas e a salada. A mesa era pequena e a malta espalhava-se pelo barco, o fumo do fogareiro travava duelos com o vento marítimo. No meio do balanço manso do barco, do cheiro da comida no ar, de um apetite voraz, do Sol abrasador, do verde e do azul misturados por toda a paisagem, as ondas tocavam tambores no casco azul claro da embarcação, agitando-se ao gosto do vento. Na outra margem Setúbal espreitava-nos, enquanto alguns reflexos de luz no rio cegavam-nos momentaneamente. Ficávamos com a barriga a abarrotar, e como depois de comer não podíamos ir ao banho, adivinhavam-se três horas sem fazer nada? Rumávamos então até à Albarquel. Nessa época a praia era uma pequena baía onde abundavam algas, rochas, polvos, camarões, linguados, mexilhões e uma infinidade de animais marinhos. A água era calma, lisa e verde maravilha. Era hora de andarmos de bote. Eu e o meu irmão íamos por ali fora até atinarmos com os remos, depois tudo era fácil, para a esquerda, para a direita, marcha à ré, e no meio de tudo isto, como se de uma floresta se tratasse, as algas vinham quase à superfície juntando-se, por vezes, alforrecas pelo meio. Eu, medricas, não gostava de nadar ali, lado a lado com aquelas algas gelatinosas e arrepiantes. Ficava-me então pelo remo, e de vez em quando uma mãozinha na água. Depressa chegava o final do dia e as escamas do peixe espalhadas pelo convés há muito que estavam secas, ao pisá-las com os pés descalços sentia o sal juntar-se a mim. Estava quase na hora de voltarmos, mas antes uma última paragem. Outão! Aqui eu podia apreciar os remoinhos na água, ver a saída da Barra e a selvagem grandeza da Serra. A minha pele estava curtida do sol, de tão escura ficava esbranquiçada do sal. Seca e áspera. Comíamos então um lanche na volta à cidade. O Sol já se punha, havia o cheiro a gasóleo no ar, os salpicos de mar na minha cara, uma toalha pelos ombros e ao longe as luzes da cidade começavam a aparecer.  A viagem para terra parecia-me sempre mais curta, as gaivotas por vezes acompanhavam-nos, dando aqueles gritos estridentes de liberdade, depressa entravamos no porto e descíamos para terra, onde subíamos uns degraus cheios de lismos, e onde sempre me chamavam a atenção para ir devagar, o que era o mesmo que me dissessem para ir bem depressa, foi aí que um dia caí e fiz uma mossa na canela da perna, mas afirmei com convicção que não me doeu nada, que era só um arranhão, no entanto aquilo doeu-me até ao tutano, sendo que ainda hoje se passar com a mão sinto aquela cova no osso. Foi num dia destes. Qual deles não sei. 

 

20200829_094329.jpg

 

* Relacionado - A segunda vaga é sempre pior que a primeira, nada que a malta do mar já não saiba. Contudo na segunda vaga temos a obrigação de estarmos preparados, de segurarmos o leme com a força e a mestria que o tempo nos deu. 

 

Uma boa semana para todos. 

    

13 comentários

Comentar post