Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Uma reflexão no Dia do Trabalhador

01.05.19, Alice Alfazema

tra.jpg

 

Ilustração Giuseppe Pelliizza

 

Antigamente, na generalidade, os trabalhadores laboravam em fábricas, na pesca, ou na agricultura, andavam rotos, sujos e descalços porque eram mal pagos e  mal vistos. Eram pessoas que não sabiam de nada, ranhosos, não letrados. Depois vieram os trabalhos de escritório, trabalhos de responsabilidade, melhor pagos, as pessoas passaram a vestir-se melhor, e a distanciarem-se dos rotos e sujos. Apareceram os chefes e os directores e os lambe botas. E o mundo melhorou a olhos vistos. E as pessoas esqueceram-se das lutas laborais e apenas conhecem os direitos que agora têm. 

 

Os anos passaram e agora temos um grande leque de profissões, umas muito bem pagas, vistas como extremamente importante pela sociedade, outras nem tanto, existem ainda outras que são  descartáveis. A outras foram dado termos como: colaboradores. A luta por melhores direitos laborais passou a ser mal vista pelos próprios trabalhadores. Entrar a horas no emprego e sair sempre depois da hora laboral é visto como um exemplo divinal de colaborador, mesmo que o querubim tenha andado na ronha durante o dia. Portanto a aparência é da maior importância. A forma como nos vestimos, falamos e nos apresentamos no nosso local de trabalho faz de nós um modelo, bom ou mau.  E tal como no princípio das lutas continuam a haver os chefes os directores e os lambe botas. 

 

O trabalho é uma alavanca para a subida na estratificação social, porque nele está contida não só a valorização social de cada pessoa que o concretiza, como a quantificação monetária que faz com que seja possível essa subida. Tal como um bolo de camadas em que a última é a melhor e a primeira é a que está esborrachada. Se está esborrachada não presta para nada. Ninguém quer ser a primeira camada que está em baixo. A primeira é a mais mal paga: imagine-se, ninguém precisa que se limpem sanitários? É verdade que todos cagam, mas é dispensável um ordenado digno, portanto ordenado de merda para trabalho de merda, essas pessoas que se sujeitam a este tipo de trabalho provavelmente não sabem fazer mais nada? É o que pensa a generalidade das pessoas. Não estudaram? Isto é o que deixa transparecer o preconceito social. E se todos tivessem estudado muito? Será que o trabalho de limpar a merda dos outros seria considerado prestigiante e mais bem pago? Ou andaríamos todos a boiar na merda?

 

 

 

 

5 comentários

Comentar post