Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

(Uma ajudinha) Para os homens que não entendem as mulheres

20.01.16, Alice Alfazema

 

 

Há um poema que explica bem aquilo que não é entendível a olho macho. 

 

Tenho fases, como a lua,
Fases de andar escondida,
fases de vir para a rua...
Perdição da minha vida!
Perdição da vida minha!
Tenho fases de ser tua,
tenho outras de ser sozinha.

Fases que vão e que vêm,
no secreto calendário
que um astrólogo arbitrário
inventou para meu uso.

E roda a melancolia
seu interminável fuso!

Não me encontro com ninguém
(tenho fases, como a lua...).
No dia de alguém ser meu
não é dia de eu ser sua...
E, quando chega esse dia,
o outro desapareceu...

 

Cecília Meireles

 

 

 

Espero ter ajudado. Se assim não foi, podem esperar pela próxima lua cheia. Ou se preferirem o quarto minguante, ou o crescente, e ainda ficam com a opção da lua nova. Ficaram esclarecidos? Se a resposta for não, aguardem pelo próximo ciclo lunar. :)

 

 

As maravilhosas ilustrações são de Adrienne Vita.

 

Alice Alfazema

 

 

1 comentário

Comentar post