Saltar para: Post [1], Comentar [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

The Sound of Silence

16.06.20, Alice Alfazema

 

Nos últimos tempos a rapariga do segundo andar tem tocado no seu contrabaixo, o som propaga-se até à minha sala, e fico ali a ouvir, é um privilégio que me encanta e me transporta para outros lugares, o som baila de lá para cá, fascina-me o serpentear das notas, a cadência de cada pausa, e o meu corpo agradece, sinto-me em paz, uma paz que me apazigua, como se uma mão gigante pairasse e me desse colo, num embalo leve de aconchego. Vou e venho sem sair daqui. A música tem aquela magia que já tenho saudades de sentir, numa cadeira a olhar o palco. Mesmo que eu não saiba interpretar uma pauta, nem uma clave de Fá, acordo a perceber que tudo se entende. 

 

O que nos chama para dentro de nós mesmos
é uma vaga de luz, um pavio, uma sombra incerta.
Qualquer coisa que nos muda a escala do olhar
e nos torna piedosos, como quem já tem fé.
Nós que tivemos a vagarosa alegria repartida
pelo movimento, pela forma, pelo nome,
voltamos ao zero irradiante, ao ver
o que foi grande, o que foi pequeno, aliás
o que não tem tamanho, mas está agora
engrandecido dentro do novo olhar.

 

 

Fiama Hasse Pais Brandão, in As Fábulas

 

 

 

2 comentários

  • Imagem de perfil

    Alice Alfazema

    17.06.20

    É verdade sou uma sortuda, durante este tempo ela teve de voltar a Portugal e estuda contrabaixo em casa, mas também tenho em casa um trombonista e uma flautista, já sugeri que fizessem um concerto nas escadas, mas ninguém dá importância ao que digo.

    Porque não ofereces uns fones ao puto? Junto com uns bombons, eles gostam de indirectas.
  • Comentar:

    Mais

    Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

    Este blog tem comentários moderados.