Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Técnica

Hoje já ouviram um pássaro a cantar?

23.02.20, Alice Alfazema

p1.jpg

 

 

 

Desenvolvi a técnica dos pássaros. Fico ou parto quando é
mais conveniente. Não dialogo. Canto. E o meu canto é como
o canto do gaio ou do melro, da narceja ou do tentilhão: um
canto para mim, um canto para todos, um canto para ninguém.

 

 

 

p2.jpg

 

 


Quem o ouvir o julgará, se o entender, e se entender que o
deve julgar. Algumas das vezes esse canto é feito de silêncio.
Um silêncio harmonioso, lúcido, eficaz. Quando um pássaro
se cala, nunca o faz por acaso, fá-lo por necessidade e por
estratégia. O silêncio é de ouro quando o canto é mortal. O
silêncio é para o pássaro como a jangada para o náufrago.

 

p3.jpg

 


Quer dizer sobrevivência. É também por isso que digo ter
desenvolvido a técnica dos pássaros. Cantar para dentro, nas
paisagens da alma, sobre os mais altos ramos da solidão, é às
vezes coisa boa e coisa delicada. E assim, escuto esse canto
de mim, essa forma de construir momentos de felicidade como
se constrói um ninho, imprescidível mas por pouco tempo. O
necessário apenas para ensinar a voar os pensamentos.

 

p4.jpg

 

 

Poema Joaquim Pessoa, in Ano Comum

 

 

As ilustrações são de David Allen Sibley e foram retiradas de Audubon, Guide to North American Birds, aproveitem e oiçam o canto de cada um destes pássaros, para isso basta clicarem no link.