Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Tarte de maçã de Palmela e mandioca do Brasil com,

Moscatel de Setúbal

17.04.21, Alice Alfazema

maçã.jpg

 

Num destes dias comprei um pacotinho de mandioca hidratada, tinha curiosidade em saber o seu sabor, hoje aventurei-me a misturar alguns ingredientes para chegar àquilo que imaginei, decidi unir o Brasil a Palmela, Brasil porque não sei qual a verdadeira zona de origem da mandioca. 

A mandioca tem um cheiro um tanto ou quanto merdozo, cheira muito mal. Bem continuando, untei com margarina o fundo de uma tarteira, cortei seis maçãs nascidas e criadas na região de Palmela, intercalei com açúcar e canela, depois reguei com Moscatel de Setúbal e coloquei tudo no forno, com o lume brando. Entretanto, fui fazer a massa, coloquei então, um púcaro pequeno cheio de açúcar, mais dois ovos, bati ligeiramente, juntei-lhes um copo com água, vindo directamente da torneira, bati novamente, de seguida um pouco de azeite e canela, bati novamente, e por fim um púcaro de farinha com fermento e outro de mandioca hidratada, bati tudo até ficar uniforme. Retirei forma com as maçãs que estava no forno, e coloquei por cima a massa, foi então novamente ao forno, sempre em lume brando. Deixo a ciência a fazer o seu trabalho, e espero calmamente que os sabores se misturem. Vou olhando a cozedura de vez em quando, e observo como a maçã mirra e deixa o suco misturar-se aos outros ingredientes, dando um ar dourado e uniforme à tarte. Quando achei que as maçãs estavam quase no ponto, meio assadas, coloquei-lhes um pouco de açúcar por cima, e deixei que derrete-se. Havia no ar um cheiro gostoso a maçã e canela. 

1 comentário

Comentar post