Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dezembro - Dia 23 - Trocar

23.12.19, Alice Alfazema
Ilustração  Jim Warren   Trocar, o que trocamos? Experiências, tempo, dinheiro? Ou trocamos a vida pela morte? Antes da troca há a resolução de problemas, que no fundo a pouco nos levam. Se a troca mais importante é a da vida pela morte, porque demoras tanto tempo para começar a viver?

Março dia 24 - Mulheres que trabalham nos cuidados paliativos

24.03.17, Alice Alfazema
A médica Ana Claudia Quintana Arantes:     “Eu cuido de pessoas que morrem”     Este é apenas um exemplo entre tantas mulheres que cuidam de pessoas que necessitam de cuidados paliativos.     A área de cuidados paliativos recebe pacientes em estágio avançado de diversas doenças, não só de câncer. E, embora sejam maioria, os idosos não são os únicos a receber os cuidados que, nas palavras de Ana Claudia, “agem sobre o sofrimento” dos pacientes. Adolescentes a (...)

Colo

13.05.15, Alice Alfazema
Fui com o meu cão ao veterinário, quando entrei na sala de espera havia apenas um cão à nossa frente. Um cão já velhote, que arfava um pouco, no entanto mantinha um ar tranquilo. Via-se que tinha um ferimento, que parecia grave, no alto da cabeça. Estava acompanhado pelo dono e pela dona. Alguns minutos depois entraram os três no consultório. Demoraram-se pouco lá dentro, não ouvi barulho, a tarde parecia-me tranquila. Abre-se a porta saem os três de lá de dentro, o cão está (...)

Para além das nuvens

20.02.11, Alice Alfazema
     Pintura de Will Cotton   Por vezes as nuvens parecem algodão doce, o que haverá para além delas? O que nos trouxe a este mundo, e o que há para para lá dele? Será a vida finita, resumindo-se a meros anos aqui passados, ou haverá um retorno ao infinito, à raiz da nossa essência; para lá de onde mora o espírito; e onde as nuvens são de várias cores, onde a música sabe a calor, e é leve o pensamento; ali  onde as dores ficam guardadas, para um novo recomeço.