Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Escopo a escopo

19.11.20, Alice Alfazema
Ilustração Amanda Oleander   Todos somos escultores do nosso próprio corpo, não só dele, mas de tudo aquilo que representamos. É interessante pensarmos que esta mesma estátua está em constante mudança, que pequenas nuances afrontam-nos, dando marcas desnecessárias à matéria, que quando é nova aguenta-se, também depende das intempéries envolvidas, escopo a escopo vamos avançando àquilo que julgamos a melhor versão, mas a arte é mesmo assim, uns gostam outros não.     

Não sei

30.06.19, Alice Alfazema
  Ilustração Corinne Demuynck       Minha alma é uma orquestra oculta; não sei que instrumentos tange e range, cordas e harpas, timbales e tambores, dentro de mim. Só me conheço como sinfonia.     Fernando Pessoa 

Em prol dos outros

29.11.17, Alice Alfazema
  Ilustração  Christine Griffin     Fico muitas vezes a pensar no que é ser voluntário, ou fazer voluntariado. Dá-se muito apreço a quem faça voluntariado, é bom para o currículo, dizem-me. Dá diploma e prestigio.   Neste momento estou a ouvir o contrabaixo do andar de cima, a miúda dá à borla sessões de música para o andar de baixo. Agradeço-lhe, gosto de a ouvir, aquela música escorre-me pelas paredes e dá alento aos meus neurónios, e nem preciso de sair do meu (...)