Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Saudade

08.05.21, Alice Alfazema
Ilustração Holly Warburton Saudade é um pouco como fome. Só passa quando se come a presença. Mas às vezes a saudade é tão profunda que a presença é pouco: quer-se absorver a outra pessoa toda. Essa vontade de um ser o outro para uma unificação inteira é um dos sentimentos mais urgentes que se tem na vida.   Clarice Lispector

"a vida só é vida real quando sentimos fora de nós alguma coisa de diferente"

13.02.21, Alice Alfazema
  Se eu chegasse a ser dum Outro mas de mim não me perdendo e esse Outro todos os outros que comigo estão vivendo   não só homens mas também os animais e as plantas e os minerais ou os ares e as estrelas tais e tantas   terei decerto cumprido meu destino e com que sorte para gozar de uma vida já ressurecta da morte.     O titulo e o poema são de Agostinho da Silva Gabão, Fevereiro de 2021

Lá fora

cá dentro

10.02.21, Alice Alfazema
Ilustração Virginia Gayarre   Fico sempre maravilhada com o avanço da ciência, e com o esforço de muitas mentes que trabalham para a descoberta de medidas eficazes para o bem comum. Agradeço o esforço de muitos outros que têm estado sempre presente para nos informar, tomar decisões, reunir estratégias, ou fazendo o trabalho prático que é necessário para manter a engrenagem humana a funcionar. Admiro todos os que estão em teletrabalho, cuidando ao mesmo tempo dos filhos, e (...)

Tomem lá giestas

da saga: uma caminhada por dia

04.02.21, Alice Alfazema
  Hoje o por do sol estava especialmente laranja e depois violeta, um adeus ao dia, até amanhã gritou o sol lá do alto da montanha. Ficará esbatido na minha memória este dia, como se fosse um igual a tantos outros. No entanto, cada dia é único, como uma página no meio de um livro, que depois de arrancada sente-se-lhe a falta.       E há aqueles dias que diferenciam-se dos outros, porque nos dizem algo, porque são metas, esperados. Caminhei novamente alinhada à estrada. (...)