Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Loendros

01.08.19, Alice Alfazema
  Se eu chegar a ser dum Outro mas de mim não me perdendo  e esse Outro todos os outros que comigo estão vivendo não só homens mas também os animais e as plantas  e os minerais ou os ares e as estrelas tais e tantas terei decerto cumprido meu destino e com que sorte para gozar de uma vida já ressurecta da morte.       Agostinho da Silva, 1989

A minha família é uma animação

24.07.19, Alice Alfazema
Ilustração Gina Matarazzo   Estava um dia ameno de Verão, era hora de almoço e comíamos calmamente, sem pressas, porque as férias se querem vagarosas.    - Ó tia, quando eu morrer quero ser cremada, mas antes têm de pôr-me dentro da barriga um saco cheio de milho pipocas. - Boa ideia! Quando saíres do forno fazem uma festa, mas o melhor é porem também um saco de açúcar... - Pois é, assim ficam caramelizadas!  

Déjà vu

22.07.19, Alice Alfazema
    Vejo-me a saborear o café tantas vezes com o mesmo sabor. Uma e outra vez. Em diversas versões. A por a manteiga no pão, a rir da mesma forma, com vontade. A empatia pelos outros e a vontade de ajudar. O espírito crítico e a ousadia de querer ser diferente. É como se a minha história já fosse contada e vivida por outros seres, dentro da mesma linha, do mesmo sangue, em outras condições. Como se nos tivéssemos empurrado umas às outras de vida para vida.      E aqui (...)

As pombas

16.07.19, Alice Alfazema
    As pombas rodeiam-te, são pensamentos esvoaçantes, que vão e vêm em diversas direcções, esvoaçam levemente ou poisam de rompante. Vão embora pela manhã e voltam à tarde. À noite poisam no poleiro dos teus sonhos e ficam à espera de comida. Do teu eu que paira num universo paralelo, numa almofada fofa e fresca com cheiro de maresia. De manhã as pombas refrescam-se na tua preguiça, na ponta dos teus dedos e debicam segredos que tu agarras com as mãos, elas fogem, só (...)

#diariodagratidao 29-05-2019

29.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração Ayako Tsuge     Contei meus anos e descobri que terei menos tempo para viver daqui para a frente do que já vivi até agora. Tenho muito mais passado do que futuro. Sinto-me como aquele menino que recebeu uma bacia de cerejas. As primeiras, ele chupou displicente, mas percebendo que faltam poucas, rói o caroço. Já não tenho tempo para lidar com mediocridades. Não quero estar em reuniões onde desfilam egos inflamados. Inquieto-me com invejosos tentando destruir (...)

Conversas da escola - Saudades

21.05.19, Alice Alfazema
Saio do autocarro e subo a ladeira para ir trabalhar, é manhã cedinho, há um fresco bom no ar, é como se as Árvores  me cumprimentassem ainda cheias de orvalho, duas rolas estão no fio da electricidade, às vezes voam até ao topo das árvores. Olham-me. Há um canto de pássaros que paira no ar. Carrego a minha mala ao ombro, está pesada, na mão levo a minha lancheira colorida com o almoço. Pressinto passos apressados atrás de mim, é como se eu conhecesse os passos e as vozes (...)

Coisas do nosso tempo - Bruno Lage

19.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração Ajubel       Se vocês tiverem a exigência que têm no futebol como nos outros aspetos do nosso Portugal – economia, educação, saúde – vamos ser um país melhor.     Bruno Lage, no seu discurso como treinador campeão do Sport Lisboa e Benfica, em 2019

#diariodagratidao 17-05-2019

17.05.19, Alice Alfazema
  Ilustração Eric Montoya     Minhas mãos são brancas e jovens como duas luvas macias nem se comparam com as do velho ao meu lado as dele contrastam com as minhas elas possuem grandes e intermináveis linhas que se parece com as estradas da vida. Cada uma conta uma história de sorrisos e lágrimas as minhas apesar de jovens não contam história alguma. olho nossas mãos e vejo que não é fácil saber que as dele nunca mais serão como as minhas, mas as minhas um dia serão (...)

#diariodagratidao 29-04-2019

29.04.19, Alice Alfazema
  Ilustração Monica Garwood       Sua vida é sua vida Não deixe que ela seja esmagada na fria submissão. Esteja atento. Existem outros caminhos. E em algum lugar, ainda existe luz. Pode não ser muita luz, mas ela vence a escuridão Esteja atento. Os deuses vão lhe oferecer oportunidades. Reconheça-as. Agarre-as. Você não pode vencer a morte, mas você pode vencer a morte durante a vida, às vezes. E quanto mais você aprender a fazer isso, mais luz vai existir. Sua vida é (...)