Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Escuridão luminosa

15.08.19, Alice Alfazema
Estamos numa espécie de Idade Média do tempos modernos, agora as pessoas têm informação, muita informação, mas não a utilizam de forma correcta, propagam-se então as notícias que têm anos como se fossem novidades, a fonte da notícia não é tida em conta. Há assim uns locais onde o povo se ajunta e grita, mas agora são gritos escritos, nada de atirar tomates e verduras podres, agora são os comentários de ódio, sem fundamentação. Depois uns riem, outros aplaudem, tal como (...)

Tau Tau

30.03.18, Alice Alfazema
  No início deste mês, o Ministério do Ambiente confirmou, em resposta à Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero, que os dados do autocontrolo transmitidos pela Celtejo relativos a 2015 e 2016 "demonstram que não foram cumpridos os limites de descarga de efluentes a que estava obrigada", tendo a IGAMAOT confirmado mais um processo de infração por ultrapassagem dos valores limite de emissão (VLE).   Em janeiro, foram definidas pelo Governo restrições de descargas no (...)

Flamingos azuis

31.03.12, Alice Alfazema
        Há muito tempo, quando o Tejo era azul, existiam nas margens do rio flamingos azuis. A sua cor devia-se a um mineral existente na água e, quando eles se banhavam as suas penas reluziam num azul brilhante e encantado. Quando voavam faziam reflexos dourados pelo sol, e as suas crias cresciam livres e despreocupadas. O rio banhava suavemente as margens e os dias (...)