Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Corpo

Dia mundial da gratidão

21.09.21, Alice Alfazema
O corpo é uma casa digna, que figura no seu modo viajante perpetuar a espécie, cada casa a seu dono, cada passo adiante, ergue-se ao dia, verga-se à vida, levando consigo as horas que já foram contadas.  Agradeço ao corpo que me trouxe até aqui.   #diariodagratidao

Migalhas

20.09.21, Alice Alfazema
  Gosto do teu cheiroSe te apetecer voltar toca a campainha três vezese eu carrego naquele botão que abre da ruaE se me avisares com antecedência até compro um boloQuando não estiveres cá e me sentir sozinho comoas migalhas que sobraramVou contar-te um segredohá alturas em que as migalhas ajudam.  Poema de António Lobo Antunes

Os figos e os seus benefícios

sem poemas e a caminho do Outono

18.09.21, Alice Alfazema
Eu que dizia que não gostava de figos, de há uns anos para cá tenho-me deliciado com quantidades generosas de figos, e este ano não fugiu à nova regra, tenho pena que estejam a acabar, tal como o Verão. Doces e húmidos refrescam-nos a boca, sendo lindos à vista e secretos no paladar. Andava por aqui à cata de um poema sobre figos, algo que ainda não tivesse colocado aqui no blogue, quando eis que descubro o texto abaixo, é surpreendente ouvimos por aí que os figos engordam, no (...)

Somos duas vezes a mesma coisa

16.09.21, Alice Alfazema
Ilustração Gabriella Barouch  Não só quem nos odeia ou nos inveja Nos limita e oprime; quem nos ama Não menos nos limita. Que os deuses me concedam que, despido De afectos, tenha a fria liberdade Dos píncaros sem nada. Quem quer pouco, tem tudo; quem quer nada É livre; quem não tem, e não deseja, Homem, é igual aos deuses.   Poema de Ricardo Reis

Proteção de crianças e jovens

Famílias

15.09.21, Alice Alfazema
Hoje vi na SIC uma reportagem em que uma mãe de três crianças falava sobre o seu problema, enquanto falava era visível o seu desespero, relatava que era a cuidadora informal dos seu filho mais pequeno, o qual era portador de diversas comorbilidades, sendo que estando nesse papel não usufruía rendimento, ao todo como referiu, o salário que entrava lá para casa era o do marido, o que com horas extraordinárias chegava aos novecentos euros mensais, desse rendimento retirava-se os (...)