Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O pensamento cuco

27.07.21, Alice Alfazema
Ilustração Alice Rudolf O pensamento cuco, vive nas cabeça mais distraídas de conhecimento. Sendo assim, os ovos alheios são colocados estrategicamente para serem chocados pelo incauto pensador, depois de eclodirem os cucos são exigentes com o seu cuidador, pedindo vezes sem conta para serem alimentados. À medida que o cuco cresce, torna-se evidente que o ninho se deforma, descaracterizando os vestígios originais. E aí ele voa, esquecendo-se de quem foi para ser quem é. Fica (...)

Personalidade

10.08.19, Alice Alfazema
  Personalidade supõe complexidade. Não há personalidade simples?     Textos Filosóficos . Vol. II. Fernando Pessoa (1906). (Estabelecidos e prefaciados por António de Pina Coelho.) Lisboa: Ática, 1968. - 147.  

Hoje apetece-me contar uma estória

05.08.19, Alice Alfazema
Nos idos anos 80, eu tinha uma vizinha que estava sempre zangada com o mundo, era com os vizinhos, era com os moços que faziam barulho, era com a mulher que atendia pessoas para resolver problemas espirituais, enfim andava sempre num frenesim de nervos.   Ela era baixinha e usava o cabelo muito curto, havia alturas em que o marido, instruído por ela vinha dar um berro aos moços que andavam por ali na galhofa. A malta fazia de propósito só para os arreliar, às tantas o homem (...)

Conversas da escola - As infiltradoras

12.05.18, Alice Alfazema
Por estes dias anda muita malta a infiltrar-se na fila do bar, geralmente são os grandotes. Vêm de fininho, assim de ladinho, e pumbas já está, rente ao balcão. - Infiltraste-te na fila? - Quem eu?! Acha?! - Sim. - Eu já estava aqui! - Então porque estás a levantar as sobrancelhas? É o primeiro sinal de quem mente! É involuntário, não consegues controlar! Ela tenta que as sobrancelhas baixem, mas parece que não resulta. -  Outra infiltradora faz o pedido. - E tu também! (...)