Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Uma mensagem de Natal

19.12.18, Alice Alfazema
Siga tranquilamente entre a pressa e a inquietude, lembrando-se que há sempre paz no silêncio.     Tanto quanto possível, sem se humilhar, mantenha boas relações com todas as pessoas. Fale a sua verdade mansa e claramente e ouça a dos outros, mesmo a dos insensatos e ignorantes, pois eles também têm sua própria história.     Evite as pessoas escandalosas e agressivas. Elas afligem o nosso espírito.     Se você se comparar com os outros, tornar-se-á presunçoso e (...)

Não me apressem

28.05.18, Alice Alfazema
  Ilustração  Spyrre     Quando eu morder a palavra, por favor, não me apressem, quero mascar, rasgar entre os dentes, a pele, os ossos, o tutano do verbo, para assim versejar o âmago das coisas.     Ilustração  Scott Kahn     Quando meu olhar se perder no nada, por favor, não me despertem, quero reter, no adentro da íris, a menor sombra, do ínfimo movimento.   Ilustração  Leszek Kostuj     Quando meus pés abrandarem na marcha, por favor, não me forcem. Cami (...)