Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dia da Mãe, Dia do Trabalhador

Maio mês do coração

01
Mai22

 

IMG_20220501_174454.jpg  

Hoje assinala-se o dia da mãe e simultaneamente  o dia do trabalhador, em resumo começa também o mês dedicado ao coração, sem dúvida que estas duas dimensões da nossa vida - a mãe e a trabalhadora -  são grandes alavancas para fazer bombear o nosso coração, numa e noutra poderemos encontrar alegrias e tristezas que podem afectar, para o bem ou para o mal, o nosso coração. Cuidar do nosso coração exige esforço e equilíbrio entre estas duas áreas, e também naquilo que somos, o Eu - num acto torna-mo-nos três em um - somos o eu, a mãe e a trabalhadora. Descurar o eu não é tido muitas das vezes em conta, porque as outras duas dimensões agigantam-se de tal maneira que o eu revela-se apenas um apêndice.

Sabemos que trabalhar é um meio de sobrevivência, para nós e para as crias, ser mãe é também um acto de sobrevivência da espécie, que numa analogia poderá ser comparado a um salto de paraquedas, sabemos que vamos saltar, só não sabemos como vai correr, é inevitável, avassalador, incrível, assustador. Não haverá receita mágica para ser-se a melhor mãe, porque é um trabalho sem finitude, não há descanso no pensamento, nem no coração, fisicamente exigente vinte e quatro horas por dia.

Trabalhar poder-se-à reduzir-se a um mero horário, mas não é só isso, poucos são os que trabalham naquilo que gostam, como podemos proteger o nosso coração fazendo algo que não gostamos(?).

É muito difícil manter-mo-nos saudáveis nestas duas dimensões da nossa vida, alguma há-de falhar, ou resultar menos bem, se antes carregámos um mundo na barriga, agora sentimos que carregamos um mundo às costas.  

Em Portugal, apesar da Lei abranger o direito parental, ainda assistimos à discriminação salarial entre homens e mulheres, e sendo que um dos factores de discriminação é o facto de a mulher ser mãe ou vir querer a sê-lo, no nosso país a taxa de natalidade tem vindo a baixar, se por um lado isto deve-se aos baixos salários, também se deve às condições de empregabilidade onde vão sendo cada vez mais os horários desfasados com o seio familiar.

Ser-se mãe em Portugal é desgastante, exigente e por vezes humilhante em meio laboral e social, ainda não existe cultura social e política em benefícios que superem o ser-se mulher - mãe - trabalhadora.  Apenas o coração supera isso.

IMG_20220501_174506.jpg

25 de Abril de 2022

Explicação do País de Abril

25
Abr22
Hoje para explicar aquilo que é Abril deixo-vos um poema de Manuel Alegre e um texto  do Prof. António Galopim de Carvalho.
 
Explicação do País de Abril
 

abril.jpg

 
País de Abril é o sítio do poema.
Não fica nos terraços da saudade
não fica nas longas terras. Fica exactamente aqui
tão perto que parece longe.
 
Tem pinheiros e mar tem rios
tem muita gente e muita solidão
dias de festa que são dias tristes às avessas
é rua e sonho é dolorosa intimidade.
 
Não procurem nos livros que não vem nos livros
País de Abril fica no ventre das manhãs
fica na mágoa de o sabermos tão presente
que nos torna doentes sua ausência.
 
País de Abril é muito mais que pura geografia
é muito mais que estradas pontes monumentos
viaja-se por dentro e tem caminhos veias
- os carris infinitos dos comboios da vida.
 
País de Abril é uma saudade de vindima
é terra e sonho e melodia de ser terra e sonho
território de fruta no pomar das veias
onde operários erguem as cidades do poema.
 
Não procurem na História que não vem na História.
País de Abril fica no sol interior das uvas
fica à distância de um só gesto os ventos dizem
que basta apenas estender a mão.
 
País de Abril tem gente que não sabe ler
os avisos secretos do poema.
Por isso é que o poema aprende a voz dos ventos
para falar aos homens do País de Abril.
 
Mais aprende que o mundo é do tamanho
que os homens queiram que o mundo tenha:
o tamanho que os ventos dão aos homens
quando sopram à noite no País de Abril.
 
Poema de Manuel Alegre.
 
 
NO TEMPO DA “OUTRA SENHORA”
Os jovens, os homens e as mulheres na casa dos 40 e dos 50 anos devem agradecer aos militares de Abril e aos civis que, com eles e antes deles, lutaram pela liberdade em que cresceram e vivem. Deixo-vos aqui apenas alguns apontamentos, dos muitos que registei na memória.
Antes daquela “madrugada”, que hoje se celebra, os portugueses cresceram e viveram em ditadura, distinguindo apoiantes declarados do novo regime, o Estado Novo, os que não se manifestavam por indiferença, constituindo a maioria, e os oposicionistas, de entre os quais se evidenciaram os que “se metiam na política”, referidos como sendo “os do reviralho”. Destes, conheci alguns que militavam na clandestinidade pelo Partido Comunista, activamente perseguidos, primeiro pela PVDE (Política de Vigilância e Defesa do Estado), entre 1933 e 1945, e, depois, pela sua substituta PIDE (Polícia Internacional e de Defesa do Estado). A estes, os “pides” deitavam-lhes a mão, levavam-nos para Lisboa, onde os interrogavam e brutalizavam, guardando-os depois pelo tempo que entendessem. Para os localizarem e denunciarem havia os informadores, os “bufos”, uns conhecidos, outros, não, pelo que se dizia que as mesas dos Cafés, os bancos do jardim, as pedras da calçada e as paredes de todo o lado tinham olhos e ouvidos. Conheci outros opositores da chamada oposição democrática, consentida por Salazar, com destaque para os do Movimento de Unidade Democrática (MUD). Criado em 1945, foi extinto três anos depois, em virtude do grande apoio popular que registou, agrupando muitos opositores até então isolados, entre os quais muitos intelectuais e profissionais liberais.
Para além das restrições à liberdade e da censura, recordo (porque o tive de assinar quando, em 1961, comecei a trabalhar como assistente na Faculdade de Ciências de Lisboa) o decreto 27 003, de 14 de Setembro de 1936, que determinava: «Para admissão a concurso, nomeação efectiva ou interina, assalariamento, recondução, promoção ou acesso, comissão de serviço, concessão de diuturnidades e transferência voluntária, em relação aos lugares do estado e serviços autónomos, bem como dos corpos e corporações administrativos, é exigido o seguinte documento com assinatura reconhecida: Declaro por minha honra que estou integrado na ordem social estabelecida pela Constituição Política de 1933, com activo repúdio do comunismo e de todas as ideias subversivas». E, mais adiante: «Os directores e chefes dos serviços serão demitidos, reformados ou aposentados compulsivamente sempre que algum dos respectivos funcionários ou empregados professe doutrinas subversivas, e se verifique que não usaram da sua autoridade ou não informaram superiormente».
-Filho da puta! – Dizia o meu tio Hermenegildo, operário corticeiro.
- Filhos, por amor de Deus, não se metam na política! – Pedia-nos a mãe, aterrorizada só de ouvir falar da tenebrosa polícia política.
Embora na letra da Constituição de 1933 figurasse o princípio da igualdade entre cidadãos perante a lei, o Estado Novo considerava a mulher como mãe, dona-de-casa e submissa ao marido. A lei portuguesa de então, designava o marido como chefe de família, sendo reservado à mulher o governo da casa, o que se traduzia pela imposição dos trabalhos domésticos como obrigação, não tendo os mesmos direitos na educação dos filhos. Não tinha direito de voto, não podia ascender a determinadas chefias nem exercer cargos na magistratura, na diplomacia e na política.
Sendo casadas, as nossas mulheres perdiam o direito a intervir nas suas propriedades, não podiam viajar para fora do país sem autorização dos maridos e não podiam trabalhar sem autorização destes. O marido podia dirigir-se ao empregador declarar não autorizar a mulher a trabalhar, o que implicava o seu imediato despedimento.
As enfermeiras não podiam casar e as professoras tinham que pedir autorização para casar, o que só era permitido se o noivo satisfizesse determinadas condições, autorização publicada e em Diário da República. O divórcio era proibido, devido ao acordo estabelecido com a Concordata de 1944, numa submissão do Estado à Igreja Católica. Assim, todas as crianças nascidas de uma nova relação, posterior casamento, eram consideradas ilegítimas, não podendo ter o nome do pai, ou seja, o do companheiro.
Na orientação ideológica antiliberal e de cariz católica do ditador, a existência da mulher confundia-se com a da família, estando-lhe reservado o espaço doméstico. A “Obra das Mães pela Educação Nacional”, organização feminina do Estado Novo, criada em 1936, tinha por objetivo “estimular a acção educativa da família e assegurar a cooperação entre esta e a escola nos termos da Constituição” de 1933.
Depois de duas décadas de confronto com o liberalismo e o republicanismo, a chamada “paz salazarista” proporcionou à Igreja um terreno propício à sua reimplantação e reestruturação interna. Nestes propósitos, assumiu papel fundamental o então Patriarca de Lisboa, Dom Manuel Gonçalves Cerejeira (1888-1977), dirigindo a Igreja Católica Portuguesa durante o Estado Novo. Elevado ao cardinalato, em 1929, pelo Papa Pio XI, foi amigo íntimo e companheiro de Salazar (militante católico nos tempos da Primeira República), no Centro Académico da Democracia Cristã, em Coimbra.
Com a subida de Salazar ao poder, o cardeal Cerejeira pôde garantir, à Igreja, protecção, respeito e liberdade de acção. Estava na sua mente recuperar e salvaguardar os privilégios do catolicismo, como Igreja do Estado, afastados pela Primeira República, tendo tido papel fundamental na assinatura da Concordata com a Santa Sé, em 1940, na criação da “Acção Católica Portuguesa”, visando a “recristianização” da nossa sociedade, na “obrigatoriedade do ensino religioso”, na abertura de novos seminários e casas religiosas, bem como no desenvolvimento da imprensa católica.
O rol de situações vividas nesse tempo, impensáveis nos dias de hoje, é imenso, mas estas que aqui vos deixo são suficientemente elucidativas do sufoco que então se viveu.
 
 
 

abril.jpg 

 

Viva a Liberdade!

As árvores dos nossos dias e das nossas cidades

Setúbal - Portugal

11
Fev22

IMG_20220211_124850.jpg

Era um início de uma tarde solarenga de fevereiro, no meio do minúsculo largo ladeado de casas pequenas e coloridas erguiam-se dois altivos troncos, no alto deles umas ralas folhas verdes tinham nascido havia pouco tempo, aquilo que se podia chamar de ramos tinha agora a grossura de um dedo, plantados ali há vários anos lado a lado com um assento à sua outrora  sombra, mostravam-se sem querer despojados da sua dignidade, parecendo mãos tortas erguendo-se da pedra, nenhum pássaro ali poderá fazer ninho, ou abrigar-se da torrente de sol do Verão, o bafo azarento perdura no largo. 

IMG_20220211_124854.jpg

Das pedras encardidas do largo sobressaem algumas pintadas com desenhos alusivos a desejos ou gostos, não sei bem, misturam-se os gostos com os desejos e talvez sejam objectivos. Olhando para aquelas mãos tortas erguidas ao céu, vejo que não concretizaram o seu objectivo de vida, foram obrigadas a ficar-se pelos sonhos, sentindo-lhes a vergonha de se mostrarem assim, despojadas da sua majestosidade, sem sentido, ausentes de vida, moribundas perante as paredes centenárias da baixa da cidade.  

IMG_20220211_124908.jpg

As pessoas afastam-se apressadas daquele largo, olham cabisbaixas as pedras encardidas pela caca dos pombos, passam pelos troncos sem nada verem, o banco continua vazio, as mãos parecem erguer-se ao céu numa prece, numa prece muda aos nossos ouvidos, mas bem visível aos olhos de quem quer ver.