Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Simplicidade

21.02.20, Alice Alfazema
Ilustração Jungho Lee     alguém devia separar a inquietação do tempo ouvir os cânticos não humanos da terra serenata de peito aberto aceito o abrandamento da respiração e o vento protector engrandece a ideia de raiz a simplicidade chama-se pedra-folhagem-animal e voa a verdade tem nome de pássaro azul com alma tu e eu em prece murmurada de escuta tu e eu e as primeiras águas tu e eu em construção ainda que não haja tempo para edificar a árvore do mundo     Poema (...)

💋

14.02.20, Alice Alfazema
    Amo… a Vida e a causa do amar é exactamente o lado simétrico das coisas do Sol mergulhando no mar. Um acordar do silêncio despido lavado. Onde o silêncio sai do lugar e repousa nos olhos!       Poema Maria Luz, in Emoções

Mulheres

28.01.20, Alice Alfazema
  Ilustração Catrin Welz-Stein     Há mulheres que trazem o vento no corpo. Irmãs das tempestades, são cúmplices dos seus próprios naufrágios. Ficam suspensas nos seus dedos de água quando é suave a sua ancoragem. À noite repousam exaustas. Procuram nas margens dos rios e no emaranhado dos bosques um lugar onde remansear a tortura das ondas que as assolaram. A almofada sabe-lhes a nuvem, a novelos leves de algodão onde submergem a face e sorriem ao sono. Acordam com a (...)

Janeiro 20/20

13

13.01.20, Alice Alfazema
  Há um tempo para estar só há um tempo para estar nu há um tempo que falta para ser o bastante uma coisa e outra há uma ponte em direcção ao tu   que é necessário atravessar e que é necessário, coragem, minar e há um ponto sem chão nem ponte em que só é preciso abrir os braços e voar.         Poema Rui Caeiro          

Páginas

14.12.19, Alice Alfazema
Ilustração Fernando Vicente     Não tenho medo de sonhos adiados. Sinto saudade dos momentos futuros, desejo trazê-los até mim para que guardem corpo, pele, mãos, desejo, saciedade.... Somos duas páginas desencontradas neste momento, desejosas de juntar palavras...   Poema de Lília Tavares

Meu rio, meu mar

30.11.19, Alice Alfazema
  Minha cidade Meu rio Meu mar   Pôr-do-sol de cores imperiais Cheiros de maresia Cheiros de areia fresca das cadeias do mar Areia de beijinhos perdidos ao relento     Meu mar Belos momentos a esquecer tormentos E o sol a queimar E o sol a sorrir de sonhos saudosos   Deitados no mar com rendados de luz Que o sol emprestou     Minha cidade De rio e de mar Riqueza assim É inveja sem fim.       Carmen Dessa, in Em mim e em outros lugares    

Amigo

24.11.19, Alice Alfazema
Ilustração Catrin Welz-Stein     “Amigo” não é a pessoa com quem falamos ou bebemos uns copos e até rimos às vezes… “amigo” é quem nos ouve, quem nos sente “amigo” é aquele que voa connosco mas nunca se esquece do lastro que nos prende à terra, que nos prende a nós. “amigo” é uma pessoa cara numa palavra vendida ao desbarato       Poema de Sara, do blogue: Sarin - nem lixívia nem limonada (...)

Dança comigo

23.11.19, Alice Alfazema
   Dança comigo onde os violinos ardem, gemem e entoam, deixa-me dançar contigoSob um céu infinitamente estrelado, onde a lua com o seu brilho vem beijar o marDança-me com a tua beleza, tua alma, tua existência e o teu ser… Oh! sim, dança comigoToca-me com a tua mão, deixa-me sentir a tua áurea os teus lábios, vem-me abraçar          Dança comigo numa valsa eterna… sim inextinguível, como perpétuo é o nosso amorLeva-me nos teus braços, encanta-me, embala-me em (...)

Gosto de...

20.11.19, Alice Alfazema
  Gosto de andar voando na amizade a correr com modos de feiticeira       ou de anjo sem o ser torvelinho à sua beira corsária do meu bem-querer       A quem me tem amizade empenhada no saber de poetisa-corsária       vou de faim à cintura defender a liberdade a paixão e o poema o desejo, a lealdade     Com a poesia na fala as minhas asas e a alma       Poema de Maria Teresa Horta    As ilustrações são de Shirin Shabá (...)