Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

#diariodagratidao 23-06-2019

23.06.19, Alice Alfazema
  Un vento leggero pulisce il cielo, guarda, ha smesso di piovere. Odore di terra bagnata, di salmastro, di fiori. E semplicemente camminare. Camminare fino al blu: la sintesi di un giorno perfetto.     Pintura Tiziana Rinaldi, ver a sua obra aqui.

Também há imagens que nos beijam?

18.08.18, Alice Alfazema
    Há palavras que nos beijam Como se tivessem boca, Palavras de amor, de esperança, De imenso amor, de esperança louca.       Palavras nuas que beijas Quando a noite perde o rosto, Palavras que se recusam Aos muros do teu desgosto.       De repente coloridas Entre palavras sem cor,     Esperadas, inesperadas Como a poesia ou o amor. (O nome de quem se ama Letra a letra revelado No mármore distraído, No papel abandonado) Palavras que nos transportam Aonde a noite é (...)

Um copo de leite e o resto da vida

02.06.18, Alice Alfazema
Ilustração  Sarah K. Lamb       Um dia, um rapaz pobre que vendia mercadorias de porta em porta para pagar seus estudos, viu que só lhe restava uma simples moeda de dez centavos e tinha fome.   Decidiu que pediria comida na próxima casa. Porém, seus nervos o traíram quando uma encantadora mulher jovem lhe abriu a porta. Em vez de comida, pediu um copo de água.   Ela achou que o jovem parecia faminto e assim lhe deu um grande copo de leite. Ele bebeu devagar e depois lhe (...)

A pintura é inscrever na tela o vivo da vida

22.05.18, Alice Alfazema
  Pintura de Júlio Pomar         O último dia do temponão é o último dia de tudo.Fica sempre uma franja de vidaonde se sentam dois homens.Um homem e seu contrário.uma mulher e seu pé,um corpo e sua memória,um olho e seu brilho,uma voz e seu eco,e quem sabe até se Deus...      Poesia Carlos Drummond de Andrade  

Março dia 25 - Mulheres que pintam corpos para além da beleza

25.03.17, Alice Alfazema
  Nascida a 11 de março de 1986, Aleah Chapin, residente em Seattle, usa a arte como forma de protesto contra a ditadura dos corpos perfeitos que a sociedade hoje nos tende a impor.     Tento desenvolver um trabalho em que, apesar das pessoas estarem nuas, há uma representação que vai para além do sexo e da beleza.       Todos sabemos que as mulheres que vemos nas revistas não são como elas aparecem lá. Nós esforçamo-nos por ser como elas e, como não conseguimos, porque (...)

Em tom lilás

17.11.16, Alice Alfazema
  Estas pinturas são magníficas, penso que a autora dos quadros seja Tatiana Black da Bielorrússia, as imagens foram retiradas daqui.       Se às vezes digo que as flores sorriem E se eu disser que os rios cantam, Não é porque eu julgue que há sorrisos nas flores E cantos no correr dos rios...     É porque assim faço mais sentir aos homens falsos A existência verdadeiramente (...)