Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Personalidade

10.08.19, Alice Alfazema
  Personalidade supõe complexidade. Não há personalidade simples?     Textos Filosóficos . Vol. II. Fernando Pessoa (1906). (Estabelecidos e prefaciados por António de Pina Coelho.) Lisboa: Ática, 1968. - 147.  

Cada um sente o que é

25.04.18, Alice Alfazema
  Ilustração  Kristina Swarner     Quem, portanto, não ama a solidão, também não ama a liberdade: apenas quando se está só é que se está livre (…) Cada um fugirá, suportará ou amará a solidão na proporção exata do valor da sua personalidade. Pois, na solidão, o indivíduo mesquinho sente toda a sua mesquinhez, o grande espírito, toda a sua grandeza; numa palavra: cada um sente o que é.       Arthur Schopenhauer       Alice Alfazema

Pela estrada fora

09.11.14, Alice Alfazema
Olhou para o rio e pensou que era diferente dos outros, as cenas que sentia nunca eram faladas, guardava para si as expressões agrestes do quotidiano, pensava ele que nas outras mentes havia uma normalidade imposta por outros raciocínios. Os rótulos impostos pela sociedade normalizada perturbavam-no, iam e vinham os pensamentos soltos e azedos. Decidiu sentar-se na relva acabada de cortar, também ela normalizada pela máquina, passou-lhe a mão pelo verde e aspirou o cheiro daquela (...)