Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O ano de 2022

Palavra de definição: loucura

29
Dez22

 

mundo paz.jpg  

Ilustração Maria Inês Cristovám C.L. Lourenço, de 13 anos, do Agrupamento de Escolas D. Maria II

Este ano é-me difícil definir o bom de 2022, é claro que houve coisas boas, mas tenho a sensação que as más superaram as boas. Parece-me que há um estado de loucura crescente entre as pessoas, entre aquilo que pensam, dizem e fazem, não gostei deste ano, foi um ano cruel, foi um ano sangrento, de muito sofrimento, um ano muito frágil onde a mentira muitas vezes se sobrepôs  à realidade.

 

Paz

Árvore de Natal

07
Dez22

paz.jpg 

Ilustração Jane Waterous

 

Onde encontro a paz? ...
Pergunto-me a todo instante.
Procurei-a há tempos idos
Num lugarejo distante...
Procurei-a num largo anfiteatro
E ainda não achei...
Procurei-a, desta vez, num circo
E também não encontrei...
Então pensei: Está no lar!...
Mas também lá não estava.
E pus-me novamente a buscá-la
Nos canteiros floridos, no pôr-do-sol,
Em todas as maravilhas do Universo
E nada consegui encontrar...
Um dia, embaraçada com tanta busca,
Perdi-me dentro de mim
E... Qual não foi a minha surpresa!
Lá estava ela...
A sorrir.

 

Poema Amélia Rodrigues

Aleluia!

17
Abr22

asas Fotografia Humberto Ramos

"Tenho diante dos meus olhos a visão de crianças órfãs e em fuga da guerra. Olhando para elas, não podemos deixar de perceber o seu grito de dor, juntamente com o de muitas outras crianças que sofrem em todo o mundo: as que morrem de fome ou de falta de cuidados médicos, as que são vítimas de abuso e violência e as a quem foi negado o direito a nascer(...)".

“sejamos vencidos pela paz de Cristo! A paz é possível, a paz é necessária, a paz é a principal responsabilidade de todos”.

 

Papa Francisco, Páscoa de 2022

sementes abertas ao vento

2022

21
Mar22

orquidea1.jpg

 
A verdadeira mão que o poeta estende
não tem dedos:
é um gesto que se perde
no próprio acto de dar-se
O poeta desaparece
na verdade da sua ausência
dissolve-se no biombo da escrita
O poema é
a única
a verdadeira mão que o poeta estende
E quando o poema é bom
não te aperta a mão:
aperta-te a garganta
 
Poema de Ana Hatherly
 
 

orquidea.jpg

 
 
Peço a paz
e o silêncio
A paz dos frutos
e a música
de suas sementes
abertas ao vento
Peço a paz
e meus pulsos traçam na chuva
um rosto e um pão
Peço a paz
silenciosamente
a paz a madrugada em cada ovo aberto
aos passos leves da morte
A paz peço
a paz apenas
o repouso da luta no barro das mãos
uma língua sensível ao sabor do vinho
a paz clara
a paz quotidiana
dos actos que nos cobrem
de lama e sol
Peço a paz e o
silêncio
 
 
Poema de Casimiro de Brito