Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Entre a ponte e o céu

20.04.19, Alice Alfazema
  Eu estava na ponte e dei um salto até à outra margem, vi homens e mulheres vagueando apressadamente pelas ruas da cidade. Todos os dias era  a mesma coisa, passavam a ponte de um lado para o outro, num lado descansavam, no outro andavam apressados em rebanhos de gente que tem de cumprir horário.    À noite a ponte iluminava-se e dava as boas-vindas aos astros e aos morcegos, corujas também lá apareciam. Um dia uma estrela ficou presa num pilar da ponte, julgava que aquelas (...)

Naquele tempo

30.03.18, Alice Alfazema
Naquele tempo, as pessoas achavam que tinham atingido um patamar de grande inteligência. A escolaridade era obrigatória até à maioridade, havia grande facilidade de encontrar informação, os meios de comunicação eram rápidos, as pessoas possuíam segundas peles onde se apresentavam como fulano de tal, onde tinham um carro de determinada marca...naquele tempo, os valores humanos básicos eram deteriorados por causa de uns maços de notas numa qualquer instituição bancaria, (...)

Boa Páscoa!

16.04.17, Alice Alfazema
  Ilustração  Jon Krause       Porque a forma das coisas lhe fugia, O poeta deitou-se e teve sono. Mais nenhuma ilusão apetecia, Mais nenhum coração era seu dono.   Cada fruto maduro apodrecia; Cada ninho morria de abandono; Nada lutava e nada resistia, Porque na cor de tudo havia outono.   Só a razão da vida via mais: Terra, sementes, caules, animais Descansavam apenas um momento.   E o vencido poeta despertou Vivo como a certeza dum rebento Na seiva do poema que sonhou.     M (...)

Folar quase santo

25.03.16, Alice Alfazema
  Fiquei encantada com esta fotografia, que bom que deve ser dar uma dentada nesta coisa maravilhosa. Será que vou ser capaz de fazer um igual?    Folar de Chocolate Ingredientes: 450 g de farinha de trigo ( + a necessária para trabalhar a massa)60 g de açúcar amarelo1 pacote de fermento seco biológico (+/- 4,6g ) Vahiné150 ml de leite mornoraspa da casca de 1 laranja50 g + 15g de

Aleluia

19.04.14, Alice Alfazema
  MadalenaQuedaram, frio o sangue, as mulheres chorosas, Sem cor, sem voz, de espanto e medo. E, de repente, Caíram-lhes das mãos as ânforas piedosas De bálsamo odoroso e de óleo recedente.  Enfeitiçou-se o chão de um perfume dormente, E o arredor trescalou de essências capitosas, Como se a terra toda abrisse o seio, e o ambiente Se enchesse da jasmins, de (...)

Ressurgir

31.03.13, Alice Alfazema
   Nós não somos do século d´inventar as palavras. As palavras já foram inventadas. Nós somos do século d´inventar outra vez as palavras que já foram inventadas.   José de Almada-Negreiros     Alice Alfazema