Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

O que são os deveres humanos?

27.11.17, Alice Alfazema
  Eu digo muitas vezes que o instinto serve melhor os animais do que a razão a nossa espécie. E o instinto serve melhor os animais porque é conservador, defende a vida. Se um animal come outro, come-o porque tem de comer, porque tem de viver; mas quando assistimos a cenas de lutas terríveis entre animais, o leão que persegue a gazela e que a morde e que a mata e que a devora, parece que o nosso coração sensível dirá «que coisa tão cruel». Não: quem se comporta com crueldade (...)

Perdes o entusiasmo quando sentes que te repetes na vida?

14.07.17, Alice Alfazema
  Ilustração Egene Koo      "mais comummente, o termo repetição evoca a similitude na reprodução da palavra ou do gesto, a esclerose do hábito, 'o mesmo no mesmo'. Ao contrário, a retomada kierkegaardiana no sentido espiritual, existencial, é um segundo começo, uma vida nova, esta nova criatura, reconciliada ('a reconciliação é a retomada sensu eminentori'); é sempre eu, o mesmo, entretanto sempre outro, a cada instante. " (VIALLANEIX, 1990, p.57)       Ilustraç (...)

Teimosamente

20.01.13, Alice Alfazema
  Quando somos jovens podemo-nos dar ao luxo de ser-mos arrogantes. Poder-se-á alegar que não temos experiência suficiente para o deixarmos de o ser. Mas à medida que a vida passa e os anos correm esse luxo desvanece-se, quem o usar parecerá um daqueles nobres que tentam a todo o custo manter as aparências. A arrogância numa idade tardia deixa antever uma teimosia (...)