Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Que caminho é este

29.09.19, Alice Alfazema
Que caminho é este, que parece levar ao mar, mas não, para além dele há serras e montes, só depois os rios e o mar. É um caminho estreito, com uma estrada já gasta, pouco estimada, ladeada de seres silenciosos e verdes, que abanam com o vento, acolhem a chuva e os pássaros, tem compromissos com os insectos, dão sombra fresca e purificam o ar que respiramos.   Que caminho é este que percorremos em estado neurótico, dando prioridade à especulação, ao egoísmo e à ganância. (...)

Vindimar o voto

14.09.19, Alice Alfazema
    Nas beijativas os candidatos distribuem beijinhos e abracinhos sem ligarem a odores. Podem até trocar de piolhos. É com alegria que descrevem as suas intenções para os próximos quatro anos. Nesses momentos a sua memória consegue alcançar as mais diversas camadas sociais, lembram-se dos pobres, dos velhos, dos que trabalham nas bancas dos mercados, dos que estão no interior, dos desempregados, dos que ganham pouco... é uma vindima de gente, todo bago dá vinho. 

Publicidade a coisas docinhas e boas

21.08.19, Alice Alfazema
Mais uma vez vou aqui falar sobre as lojas de gomas que proliferam como cogumelos rente às escolas portuguesas. Para quando a legislação sobre a venda e estabelecimentos deste tipo de produtos?   E já agora, acrescentem lá, as bebidas energéticas.  Os impostos que pagam. O tipo e idade dos clientes.  A correlação entre saúde e doença.     

Manuais escolares 2019/2020

20.08.19, Alice Alfazema
Por estes dias na escola a pergunta que se faz é sobre quando se entregam os manuais escolares que vão ser reutilizados. A maioria quer saber isto para poder ver os livros que lhes vai calhar na rifa, muitos dizem que se os livros não estiverem em condições - lindos e maravilhosos - vão comprar uns novos. E eu fico a pensar: quando os manuais eram a pagar, queriam livros gratuitos, agora que são à borla, mas usados, querem comprar novos.    Queridos pais - principalmente mães (...)

Escuridão luminosa

15.08.19, Alice Alfazema
Estamos numa espécie de Idade Média do tempos modernos, agora as pessoas têm informação, muita informação, mas não a utilizam de forma correcta, propagam-se então as notícias que têm anos como se fossem novidades, a fonte da notícia não é tida em conta. Há assim uns locais onde o povo se ajunta e grita, mas agora são gritos escritos, nada de atirar tomates e verduras podres, agora são os comentários de ódio, sem fundamentação. Depois uns riem, outros aplaudem, tal como (...)

#diariodagratidao 15-08-2019

15.08.19, Alice Alfazema
  Ilustração Yiting Lee   Já fazem muitos dias que não escrevo aqui no Diário da Gratidão, coisa com que me comprometi, mas  que não cumpri. Não considero um falhanço, mas um desvio de conduta, até porque estar grato é  muito mais do que afirmar que se fez isto ou aquilo num pedaço de papel ou num ecrã de computador, ter gratidão é colocarmo-nos no lugar do outro também com acções e momentos reais no dia-a-dia. É por aí que tenho andado.    No entanto, quero (...)

NEE - A vida depois de criança

10.08.19, Alice Alfazema
Esta é a sigla - NEE - com que se designam as crianças que frequentam a escola e têm apoios educativos diferentes das outras crianças a quem chamamos de normais. E o quer dizer NEE? Necessidades Educativas Especiais. É esta a forma como a sociedade os classifica.    Por vezes olhamos para eles e parecem-nos perfeitamente capazes de desempenhar uma tarefa simples ou de ter um raciocínio lógico adequado e validado pela nossa sociedade. Mas acontece que o mundo deles é (...)

Fogos abertura da época - 2019

21.07.19, Alice Alfazema
Tal como a abertura das férias da malta que trabalha está também aberta agora a época festiva dos fogos em Portugal, tempo quente, vento favorável, é só começar. É um festim, é ver o fogo devorar a floresta, ou o que resta dela, os animais que aí habitam a morrerem, as casas e os bens das pessoas que vão ficar anos sem nada, são as reportagens, são as capas dos jornais, são a contagem de gente ferida, é fotografias de bombeiros nas redes sociais. É o desnorte da (...)