Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Paz

Árvore de Natal

07
Dez22

paz.jpg 

Ilustração Jane Waterous

 

Onde encontro a paz? ...
Pergunto-me a todo instante.
Procurei-a há tempos idos
Num lugarejo distante...
Procurei-a num largo anfiteatro
E ainda não achei...
Procurei-a, desta vez, num circo
E também não encontrei...
Então pensei: Está no lar!...
Mas também lá não estava.
E pus-me novamente a buscá-la
Nos canteiros floridos, no pôr-do-sol,
Em todas as maravilhas do Universo
E nada consegui encontrar...
Um dia, embaraçada com tanta busca,
Perdi-me dentro de mim
E... Qual não foi a minha surpresa!
Lá estava ela...
A sorrir.

 

Poema Amélia Rodrigues

Morreu a Rainha

Isabel II

08
Set22

morreu a rainha.jpg Morreu a Rainha. Morreu a Mulher. 

Sou uma desconhecida na vida desta mulher, no entanto sinto que me é próxima, sei razoavelmente a sua história de vida, conheço as cores vivas com as quais se vestia em cerimónias importantes, conheço o seu sorriso, lembro-me de vê-la desde sempre. Foi uma uma mulher que viveu a sua vida em missão aos outros, com um importante sentido de Estado, com uma jovialidade surpreendente,  adaptou-se ao mundo e à evolução dos tempos, mantendo um sentido de humor e uma resiliência surpreendentes. Manifestou estar sempre disposta a aprender. Foi a Mulher - muitas vezes só - entre homens. A ironia da História, da mais frágil a mais forte. Vou ter saudades dela. 

1926-2022

 

"A vida não está por ordem alfabética"

01
Jun22

cores.jpg Ilustração Cédric Abt

 

A vida não está por ordem alfabética como há quem julgue. Surge... ora aqui, ora ali, como muito bem entende, são miga¬lhas, o problema depois é juntá-las, é esse montinho de areia, e este grão que grão sustém? Por vezes, aquele que está mesmo no cimo e parece sustentado por todo o montinho, é precisamente esse que mantém unidos todos os outros, porque esse montinho não obedece às leis da física, retira o grão que aparentemente não sustentava nada e esboroa-se tudo, a areia desliza, espalma-se e resta-te apenas traçar uns rabiscos com o dedo, contradanças, caminhos que não levam a lado nenhum, e continuas à nora, insistes no vaivém, que é feito daquele abençoado grão que mantinha tudo ligado... até que um dia o dedo resolve parar, farto de tanta garatuja, deixaste na areia um traçado estranho, um desenho sem jeito nem lógica, e começas a desconfiar que o sentido de tudo aquilo eram as garatujas.
 
António Tabucchi, in Tristano Morre
 
 

Ucrânia

pela Liberdade

11
Abr22

IMG_20220407_190142.jpgTalvez a Liberdade seja mesmo vermelha, vermelha do sangue derramado, frágil como uma papoila, delicada como uma gota de orvalho. 

A Liberdade da Paz em vida, é sonegada pela quietude dos mortos que jazem no chão, dos corpos deixados sem cuidado ao relento gélido, onde a frieza vinda da carne se confunde com o ar que se respira. 

As cidades que foram arrasadas, são agora destroços das vidas que por ali ocupavam os seus dias, a Liberdade dos dias tornou-as disformes, predominantemente cinzento escuro, um cinzento feito de escombros, escaras urbanas erguem-se a céu aberto, a profundidade dos danos aumenta com o passar das horas, numa operação especial de destruição da Liberdade de um país.

O inferno é tido como vermelho, qual será a cor da Liberdade ?, alcançar a Liberdade presume, diz-nos a História, atravessar o inferno.