Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Ucrânia

pela Liberdade

11
Abr22

IMG_20220407_190142.jpgTalvez a Liberdade seja mesmo vermelha, vermelha do sangue derramado, frágil como uma papoila, delicada como uma gota de orvalho. 

A Liberdade da Paz em vida, é sonegada pela quietude dos mortos que jazem no chão, dos corpos deixados sem cuidado ao relento gélido, onde a frieza vinda da carne se confunde com o ar que se respira. 

As cidades que foram arrasadas, são agora destroços das vidas que por ali ocupavam os seus dias, a Liberdade dos dias tornou-as disformes, predominantemente cinzento escuro, um cinzento feito de escombros, escaras urbanas erguem-se a céu aberto, a profundidade dos danos aumenta com o passar das horas, numa operação especial de destruição da Liberdade de um país.

O inferno é tido como vermelho, qual será a cor da Liberdade ?, alcançar a Liberdade presume, diz-nos a História, atravessar o inferno.

Arraigar

08
Abr22

IMG_20220408_143115.jpg  

 

Ali não havia electricidade.

Por isso foi à luz de uma vela mortiça

Que li, inserto na cama,

O que estava à mão para ler —

A Bíblia, em português (coisa curiosa!), feita para protestantes

E reli a «Primeira Epístola aos Coríntios».

Em torno de mim o sossego excessivo de noite de província

Fazia um grande barulho ao contrário,

Dava-me uma tendência do choro para a desolação.

A «Primeira Epístola aos Coríntios»...

Relia-se à luz de uma vela subitamente antiquíssima,

E um grande mar de emoção ouvia-se dentro de mim...

 

Sou nada...

Sou uma ficção...

Que ando eu a querer de mim ou de tudo neste mundo?

«Se eu não tivesse a caridade».

E a soberana luz manda, e do alto dos séculos,

A grande mensagem com que a alma é livre...

«Se eu não tivesse a caridade»...

Meu Deus, e eu que não tenho a caridade!...

 

Poema de Álvaro de Campos. Fernando Pessoa. Lisboa: Ática, 1944

 

 

Anil

07
Mar22

IMG_20220306_105646.jpg

 

Lego aos meus amigos
um azul cerúleo para voar alto
um azul cobalto para a felicidade
um azul ultramarino para estimular o espírito
um vermelhão para fazer circular o sangue alegremente
um verde musgo para acalmar os nervos
um amarelo ouro: riqueza
um violeta cobalto para sonhar
um garança que faz ouvir o violoncelo
um amarelo barite: ficção científica, brilho, resplendor
um ocre amarelo para aceitar a terra
um verde veronese para a memória da primavera
um anil para poder afinar o espírito pela tempestade
um laranja para exercer a visão de um limoeiro ao longe
um amarelo limão para a graça
um branco puro: pureza
terra de siena natural: a transmutação do ouro
um preto sumptuoso para ver Ticiano
uma terra de sombra natural para aceitar melhor a melancolia negra
uma terra de siena queimada para noção de duração.
 
 
Maria Helena Vieira da Silva
(texto encontrado nos papéis da pintora, após a sua morte)