Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

#diariodagratidao 03-03-2019

03.03.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Rofuz Kinga   Você merece um amor que a ame quando você estiver despenteada, aceitando as razões que a fazem acordar rapidamente, e os medos que não permitem que você durma.   Você merece um amor que faça com que você se sinta segura. Que a ajude a conquistar o mundo ao pegar em sua mão, que sinta que seus abraços se encaixam perfeitamente com sua pele.   Você merece um amor que deseje estar ao seu lado, visitar o paraíso apenas olhando seus olhos, e que (...)

Para fazer o melhor do mundo é preciso um bocado de tristeza

26.01.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Jungsuk Lee   Nuvens lentas passavam Quando eu olhei o céu. Eu senti na minha alma a dor do céu Que nunca poderá ser sempre calmo.   Quando eu olhei a árvore perdida Não vi ninhos nem pássaros   Eu senti na minha alma a dor da árvore Esgalhada e sozinha Sem pássaros cantando nos seus ninhos.   Quando eu olhei minha alma Vi a treva. Eu senti no céu e na árvore perdida A dor da treva que vive na minha alma.   Vinícius de Moraes          

Negrume

10.01.19, Alice Alfazema
  Ilustração Beatrix Papp      Hoje quando ia caminho de casa vi um vulto a correr para uma carrinha, daquelas de transportes escolares, assustei-me e não percebi logo o que se passava. Era uma mulher. Uma mulher de burca negra, que conforme corria levantava as saias e deixava ver umas vestes coloridas por baixo daquele negrume.    Um coisa é vermos fotografias destas vestes, outra é vermos ao vivo e a cores. É uma realidade e um fardo para muitas mulheres. Não creio que se (...)

#MEDOO

05.10.18, Alice Alfazema
Quando eu tinha dez anos de idade andava no 1º ano do ciclo preparatório, vulgo 5º ano hoje em dia, eu era uma miúda teimosa e não alinhava naquilo que os outros queriam. Os pais não nos iam buscar à escola e era frequente os rapazes apalparem as raparigas à saída da escola, ou tínhamos que sair primeiro que eles ou esperar que passasse a enxurrada de gente, e aí então podíamos sair calmamente sem termos de estar constantemente a olhar para trás.   Eu vinha habituada a (...)

Micro contos - A mala

28.12.17, Alice Alfazema
  Ilustração Tsuji Megumi     Ela pegou na mala com muito carinho, tinha-lhe custado uma pequena fortuna, acariciou-a e sentiu o macio da pele na sua pele, pele com pele. Escolheu um bonito vestido para estrear aquele objecto tão encantador, estava deveras entusiasmada. Olhou-se então ao espelho e gostou do que viu. Linda. Colocou a mala no braço e afagou-a naquele canto onde tinham caído lágrimas daquela costureira que vivia lá muito longe.     Alice Alfazema