Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

povos

03
Nov22

 

 Ilustração  Siiri Väisänen

Acho muito significativo, sob esse ponto de vista, que Husak tenha mandado expulsar das universidades e dos institutos científicos cento e quarenta e cinco historiadores tchecos. (Dizem que, para cada historiador, misteriosamente, como num conto de fadas, um novo monumento de Lenine surgiu em alguma parte da Boémia.) Em 1971, um desses historiadores, Milan Hübl, com seus óculos de lentes extraordinariamente grossas, estava no meu apartamento da Rua Bartolomejska. Olhávamos pela janela as torres do Hradeany e estávamos tristes.

- Para liquidar os povos- dizia Hübl-, começa-se por lhes tirar a memória. Destroem-se seus livros, sua cultura, sua história. E uma pessoa lhes escreve outros livros, lhes dá uma outra cultura e lhes inventa uma outra história. Em seguida, o povo começa lentamente a esquecer o que é e o que era. O mundo à sua volta o esquece ainda mais depressa.

Milan Kundera, in O livro do riso e do esquecimento

 

 

 

Virgolinho o ET cientista social

Capitulo I

15
Set22

Virgolinho entrou na estratosfera e sentiu um arrepio nos ossos da garganta, sempre que viajava pelo buraco negro a sua garganta afunilava provocando-lhe arrepios sucessivos nos ossos côncavos que lhe seguravam a língua bífida, quando isso acontecia a língua mudava de cor, do natural verde amarelado passava a laranja florescente, Virgolinho ainda não entendia porque lhe acontecia isso, não sabia se era da euforia de voltar à Terra ou se apenas se devia à pressão a que tinha sido submetido naquela viagem.

Há muito tempo que Virgolinho se entretinha a viajar entre planetas, desde que ficara viúvo, tornara-se num estudioso da cultura existente nos vários planetas habitáveis, tinha um especial carinho pela Terra porque foi aí que a sua companheira morrera na última viagem que tinham feito juntos, tinha-a enterrado num bosque existente nos arredores de uma grande cidade, esperava  agora poder visitá-la, os corpos mortos, dos da sua raça,  tinham a capacidade de transformar-se naquilo que fossem os seus últimos pensamentos, estava curioso com o que iria encontrar. Apenas uma década passou desde então, poderia ainda não haver tempo para tal alteração, ou o sítio poderia ter sido alterado por outros. Concentrou-se a conduzir a nave enquanto observava uma nuvem rosa de flamingos que regressavam para sul. A Terra continuava sendo um planeta fascinante.

Dia mundial do livro

23
Abr22

 

Ilustração e video Nerina Canzi

 

Em algum momento da nossas vidas já nos deparamos com um livro que nos fosse especial, que tenha valido a pena as horas que lhe dedicámos, não são os livros capazes de mudar os mundo no sentido físico, mas mudam as pessoas no sentido mental, não são os livros apenas objectos estáticos, ou dinâmicos, coisas voláteis, ideias tristes ou cientificas, são pedaços quânticos de determinado universo. 

As coisas

31
Jan22

 

IMG_20220131_213838.jpg  

As pessoas pensam que vivem mais intensamente do que os animais, as plantas e ainda mais do que as coisas. Os animais pressentem que vivem mais intensamente do que as plantas e as coisas. As plantas sonham que vivem mais intensamente que as coisas. Mas as coisas perduram e este perdurar é mais vida do que qualquer outra coisa.

Olga Tokarczuk, in Outrora e Outros Tempos, tradução Teresa Fernandes Swiatkiewicz