Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

quando se juntam palavras soltas

23
Mar22

*

*¨¨*vida*

**amor*¨¨**

**justiça**¨¨*amizade**

**carinho*¨¨*tempestade*¨¨*dia**verde*

***¨¨**união***¨¨**azul***¨¨***liberdade**aves*¨¨*noite***luz**

******calor**¨¨¨¨***mar***humor****estrelas***¨¨****árvores**¨¨**sonho*****

*música***rio**¨¨**terra**¨¨**flores*¨¨*fauna******¨¨*****pintura*********

***¨¨**casa****¨¨**futuro****¨¨¨****família**¨¨***reencontro****¨¨*festa**¨¨* 

****¨¨***saúde*****¨¨****amigos**¨¨**saudade***¨¨**teatro****¨¨****

 

Num fim de tarde a Vida encontrou-se com o Amor, há muito que não se viam, pois a Justiça  desfez a Amizade que havia entre os dois, levou-lhes o Carinho, transformou os seus pensamentos em Tempestade, a partir desse Dia o Verde perdeu o viço. Essa União era Forte parecia imensa como o Azul do céu, trazia consigo a Liberdade que ergue as Aves num voo pleno. Depois fez-se Noite e apagou-se a Luz que os ligava, morreu o Calor e o Mar ficou revolto, nem o Humor, nem as Estrelas, nem as Árvores conseguiram dar corpo ao Sonho, foi a Música que suavemente atravessou o Rio até à Terra que havia na outra margem, nesse sítio onde as Flores e a Fauna pareciam um Pintura, havia ao longe uma Casa pintada de Futuro onde morava uma Família que preparava o Reencontro e a Festa, vestiram-se de Saúde esperando os Amigos, a Saudade enchia o espaço, devagar o pano cobriu o palco e as palmas ecoaram no Teatro.