Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Publicidade a coisas docinhas e boas

21.08.19, Alice Alfazema
Mais uma vez vou aqui falar sobre as lojas de gomas que proliferam como cogumelos rente às escolas portuguesas. Para quando a legislação sobre a venda e estabelecimentos deste tipo de produtos?   E já agora, acrescentem lá, as bebidas energéticas.  Os impostos que pagam. O tipo e idade dos clientes.  A correlação entre saúde e doença.     

Coisas do nosso tempo - Ida à esteticista

11.08.19, Alice Alfazema
Foram os quatro à esteticista, a mãe, o pai, e as filhas. As mulheres precisavam de cuidar do pêlo, fazer uma completa, não queriam cá tapetes de veludo a enfeitar as salas. A sala era pequena para tanta gente junta, ao todo estavam lá cinco. No meio da sala a marquesa, numa das pontas um sofá, um móvel grande com prateleiras, do outro lado a máquina que trucida a penugem e aos pés da marquesa, a menos dois metros, um outro sofá, foi lá que o pai se instalou para consultar o (...)

Conversas da escola - A senhora

08.08.19, Alice Alfazema
A senhora veio à escola para colocar o processo do seu menino em dia e deixou o menino lá numa mesa entretido com o telemóvel dela. Veio até mim e disse-me, com uma voz nasalada e calma, que o menino quando está sozinho ninguém dá por ele e que às vezes até o tem de procurar pela casa. O menino continuava a brincar com o telemóvel, estava entretido, sossegado. Um encanto. Depois a senhora desliza suavemente, os seus passos são pequenos, e bandoleando-se dirige-se na (...)

Hoje apetece-me contar uma estória

05.08.19, Alice Alfazema
Nos idos anos 80, eu tinha uma vizinha que estava sempre zangada com o mundo, era com os vizinhos, era com os moços que faziam barulho, era com a mulher que atendia pessoas para resolver problemas espirituais, enfim andava sempre num frenesim de nervos.   Ela era baixinha e usava o cabelo muito curto, havia alturas em que o marido, instruído por ela vinha dar um berro aos moços que andavam por ali na galhofa. A malta fazia de propósito só para os arreliar, às tantas o homem (...)