Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

15

O coro infantil mollmäuse & FRIENDS

15.03.21, Alice Alfazema
  Portugal, meu amigo! Portugal, mein Freund!   Mein Freund, ich habe gelesen, wie es dir geht, wie es um dich steht, Mein Freund, ich bin ganz erschüttert, in Gedanken bin ich bei dir, in einem Gebet. Doch selbst ein Vogel mit gebrochenem Flügel braucht Zeit, bis er wieder fliegt, der Sonne entgegen, den Schmerz besiegt.   Estarei com você até você voar novamente, Ich bleibe bei dir, solange bis du wieder fliegst.   Estou perto de ti, com certeza, Estou perto de ti! (...)

Lá fora

cá dentro

10.02.21, Alice Alfazema
Ilustração Virginia Gayarre   Fico sempre maravilhada com o avanço da ciência, e com o esforço de muitas mentes que trabalham para a descoberta de medidas eficazes para o bem comum. Agradeço o esforço de muitos outros que têm estado sempre presente para nos informar, tomar decisões, reunir estratégias, ou fazendo o trabalho prático que é necessário para manter a engrenagem humana a funcionar. Admiro todos os que estão em teletrabalho, cuidando ao mesmo tempo dos filhos, e (...)

Enroscar

16.10.20, Alice Alfazema
Ilustração Akzhana Abdalieva   o círculo inclui o quadrado que inclui o triângulo em que me incluo   das altas esferas que  incluem  os planetas em que a terra, em que Brasília, em que eu que — circulo e me circuns (e)screvo     Poema de Antonio Miranda       

O ponto comum

27.09.20, Alice Alfazema
Já não sei há quanto tempo recortei estas meninas de papel e depois as pintei. No fundo elas são uma representação daquilo que podemos ser, ou da forma como vemos o mundo e nos apresentamos perante ele. Reparei agora que existe um ponto comum entre todas - o sorriso. Nunca desenhei nenhuma cara triste. E é verdade, que quando me apresento perante um problema, ou algo menos bom é no sorriso que me refugio, não me sei ver sem ele, e mesmo quando estou furiosa, num repente vejo-me (...)