Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Petição Pública pela defesa da Reserva Natural do Estuário do Sado

13.10.18, Alice Alfazema
    Meu país desgraçado!... E no entanto há Sol a cada canto e não há Mar tão lindo noutro lado. Nem há Céu mais alegre do que o nosso, nem pássaros, nem águas ... Meu país desgraçado!... Por que fatal engano? Que malévolos crimes teus direitos de berço violaram? Meu Povo de cabeça pendida, mãos caídas, de olhos sem fé — busca, dentro de ti, fora de ti, aonde a causa da miséria se te esconde. E em nome dos direitos que te deram a terra, o Sol, o Mar, fere-a sem dó

Dono de si

01.11.10, Alice Alfazema
Um colunista acompanhava um amigo a uma banca de jornais. O amigo cumprimentou amavelmente o ardina, mas recebeu de volta um tratamento rude e grosseiro. Pegando no jornal que tinha sido atirado na sua direcção, o amigo do colunista sorriu polidamente e desejou um bom fim-de-semana ao vendedor. Quando os dois desciam pela rua, o colunista perguntou: - Ele trata-o sempre assim, deste modo grosseiro? - Sim, infelizmente, sempre foi assim... -E você é sempre tão polido e simpático com ele?