Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dia do Elefante

12
Ago21

elefante.jpg

Fotografia Daisy Gilardini

 

Um grupo de homens cegos ouviu que um animal estranho, chamado de elefante, havia sido trazido para a cidade, mas nenhum deles conhecia sua forma. Então eles disseram: “Podemos conhecê-lo pelo toque, pois disso somos muito capazes.”

Quando eles encontraram o elefante, começaram a tatear e discutir entre si. Cada homem tocou numa parte e, confiante de sua habilidade, discordava dos demais. Eles não percebiam que estavam tateando um animal enorme. 

O primeiro homem, cuja mão pousou na tromba, disse:

— Este animal é como uma cobra grossa!

Outro cuja mão alcançou sua orelha, discordou:

— Este animal é como um leque!

O outro homem, cuja mão estava sobre a perna, riu dos demais e disse:

— O elefante é como um tronco de árvore!

O cego que colocou a mão na barriga do animal falou:

— O elefante é um muro!

Outro que sentiu o rabo do animal disse:

— O elefante é como uma corda!

O último, já irritado, sentia a presa do elefante e afirmava em tom de sabedoria:

— O elefante é como uma lança!

E assim os homens se comportam diante da verdade: tocam apenas uma parte e acreditam conhecer o todo. E por isso continuam tolos.

 

Conto budista.

Passagem

17
Dez20

passagem.jpg

Ilustração Andrea Calisi

 

Ao longo do tempo vamos tento de enfrentar várias passagens, umas são tão subtis que nem damos por elas, tal como a passagem dos minutos e dos dias, que tantas vezes nos parecem iguais, apesar disso somos obrigados a fazê-las, pensamos muitas vezes que só fazemos o que bem nos apetece, que seguimos por onde queremos, no entanto a passagem do vazio é assustadora para alguns, como se houvesse uma obrigação de explicação ou de um ritual, entretanto verificamos que a passagem não é mais do que o caminho.

 

❀ 

Pescar

16
Dez20

peixe1.jpg

 

Escrever um poema
é como apanhar um peixe
com as mãos
nunca pesquei assim um peixe
mas posso falar assim
sei que nem tudo o que vem às mãos
é peixe
o peixe debate-se
tenta escapar-se
escapa-se
eu persisto
luto corpo a corpo
com o peixe
ou morremos os dois
ou nos salvamos os dois
tenho de estar atenta
tenho medo de não chegar ao fim
é uma questão de vida ou de morte
quando chego ao fim
descubro que precisei de apanhar o peixe
para me livrar do peixe
livro-me do peixe com o alívio
que não sei dizer

 

peixe.jpg

 

O poema é de Adília Lopes, as ilustrações são de Suzy Pal Powell.

Lagos

12
Dez20

lagos.jpg

Ilustração Adrian Sykes

 

Há pessoas que são como lagos, sem margens, presas na mesma paisagem, no entanto acham-se mar, no fundo o lodo dá-nos a diferença, acrescente-se  a falta de maresia. 

 

 

Contemplo o lago mudo

Que uma brisa estremece.

Não sei se penso em tudo

Ou se tudo me esquece.

 

O lago nada me diz.

Não sinto a brisa mexê-lo.

Não sei se sou feliz

Nem se desejo sê-lo.

 

Trémulos vincos risonhos

Na água adormecida.

Por que fiz eu dos sonhos

A minha única vida?

 

Poema de Fernando Pessoa