Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Irrecuparável

19.06.21, Alice Alfazema
  A vida é assim: peixe vivo, mas que só vive no correr da água. Quem quer prender esse peixe tem que o matar. Só assim o possui em mão. Falo do tempo, falo da água. Os filhos se parecem com água andante, o irrecuparável curso do tempo. Um rio tem data de nascimento? Em que dia exacto nos nascem os filhos?   Mia Couto, in O último voo do flamingo

Sou uma mãe...

:-)

27.11.20, Alice Alfazema
Ilustração Daniela Costa   Sou uma mãe que nunca guardou dentes ou cabelinhos dos filhos, sou uma mãe que não sabe qual foi a primeira palavra que disseram, tenho uma vaga ideia, sou uma mãe que não criou álbuns de fotografias com os filhos bebés, nem sei quando comeram pela primeira vez sopa, tenho uma vaga ideia. Sou uma mãe que nunca contou histórias de princesas à filha, nem lhe comprou vestidos pelo carnaval, sou uma mãe que nunca comprou acessórios de cozinha e (...)

Nova etapa

08.09.19, Alice Alfazema
É um dia cheio de praia, água boa, sabor a sal, pele tostada pelo sol, areia a perder de vista, calor e mar, risos na toalha, água e bolachas, pranchas e barriga esfolada.        É um dia onde me revejo, e olho de forma a acomodar memórias, os três na água como há muito tempo e eu na toalha, o tempo passou, mas o essencial ficou. A vida trás a vida leva, tal como o mar. Vão-se uns e ficam outros. Começa-se e acaba-se. Vejo-me então na primeira linha, o que guardo já (...)