Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

ūüíč

08.11.19, Alice Alfazema
¬† Somos um monte de retalhos, cosidos ao acaso, coisas do dia, da vida, da loucura. Somos tristes acompanhados, somos alegres sozinhos. Somos o que os outros n√£o sabem. Temos medo e aud√°cia dentro de n√≥s. Mas h√° quem saiba nas entrelinhas esconder os recantos do sonho para que ele desperte num dia de necessidade. ¬† Mal nos conhecemos Inaugur√°mos a palavra ¬ęamigo¬Ľ. ¬ęAmigo¬Ľ √© um sorriso De boca em boca, Um olhar bem limpo, Uma casa, mesmo modesta, que se oferece, Um cora√ß√£o (...)

Liberdade

02.11.19, Alice Alfazema
Ilustração Scott Kahn    Escrevo este texto no dia 20 de Outubro de 2019, é Domingo e está sol, ontem foi um dia de chuva intensa. Hoje o dia amanheceu luminoso, manso e fresco, levantei-me e tomei o pequeno-almoço em casa, nada de especial, pão com queijo-fresco de ovelha e um sumo de frutos vermelhos. Fomos depois beber um café à beira-rio.   Estou agora em frente ao rio, num sítio tranquilo e cheio de árvores, sento-me enquanto bebo o meu café, à minha frente o rio (...)

Micro contos - A procura

21.07.19, Alice Alfazema
  Ilustração Marly Gallardo   Que procuras tu quando te escondes na praia? Debaixo de um chapéu de sol, enquanto enterras os teus pés para sentires a areia fresca que está por baixo da escaldante. Levas contigo os teus pensamentos para todo o lado, mesmo que te vistas de modo diferente e a paisagem seja outra daquela que estás habituada. Mudas-te de cor de cabelo, e fizeste umas unhas coloridas, mas nada mudou. O que (...)

Escrever

14.06.19, Alice Alfazema
¬† Ilustra√ß√£o Linda Jacobus ¬† Para dizer que se gosta de escrever n√£o basta relatar uma conversa, descrever um s√≠tio ou um estado de alma. Escrever √© muito mais que isso, √© por nas frases peda√ßos de n√≥s, sensa√ß√Ķes e cheiros, √© conseguir que os outros percebam atrav√©s das nossas palavras o que vemos sem os olhos.¬† ¬† Nem √© preciso um texto longo, ou uma frase elaborada, √© antes como uma pintura simples, s√£o (...)

#diariodagratidao 23-04-2019

23.04.19, Alice Alfazema
¬† Ilustra√ß√£o¬†¬†Mar Azabal ¬† Se eu pudesse havia de transformar as palavras em clava. Havia de escrever rijamente. Cada palavra seca, irressonante, sem m√ļsica. Como um gesto, uma pancada brusca e s√≥bria. Para qu√™ todo este artif√≠cio da composi√ß√£o sint√°ctica e m√©trica? Para qu√™ o arredondado lingu√≠stico? Gostava de atirar palavras. R√°pidas, secas e b√°rbaras, pedradas! Sentidos pr√≥prios em tudo. Amo? Amo ou n√£o amo. Vejo, admiro, desejo? Ou sim ou n√£o. E como isto continuando. ¬†