Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Futuro

Árvore de Natal

10
Dez22

maria.jpg 

Ilustração Clint Cearley

Trouxe as palavras e colocou-as sobre a mesa.
Trouxe-as dentro das mãos fechadas (alguns disseram
que apenas escondia as feridas do silêncio).

Pousou-as na mesa e começou a abri-las devagar,
tão devagar como passa o tempo quando o tempo
não passa. E depois distribui-as pelos outros,
multiplicou-se em dedos, em palavras (alguém disse
que chegariam a todos, ultrapassariam os séculos e
teriam a duração do tempo quando o tempo perdura).

Ceou com todos pão que não levedara e vinho áspero
das videiras magras do monte que os ventos dizimavam.
Quando se ergueu, havia ainda palavras sobre a mesa,
coisas por dizer no resto do pão que alguém deixara,
feridas fundas nas mãos que fechou em silêncio e devagar.

Perto dali uma figueira florescia. À espera.

 

Poema Maria do Rosário Pedreira

Creio que o amor tem asas de ouro

17
Dez21

IMG_20211205_112943.jpg

Creio nos anjos que andam pelo mundo,
creio na deusa com olhos de diamantes,
creio em amores lunares com piano ao fundo,
creio nas lendas, nas fadas, nos atlantes;
 

IMG_20211205_112952.jpg

 


creio num engenho que falta mais fecundo
de harmonizar as partes dissonantes,
creio que tudo é eterno num segundo,
creio num céu futuro que houve dantes,
 
 

IMG_20211205_113005.jpg

 

creio nos deuses de um astral mais puro,
na flor humilde que se encosta ao muro,
creio na carne que enfeitiça o além,
 

IMG_20211205_113017.jpg

 

creio no incrível, nas coisas assombrosas,
na ocupação do mundo pelas rosas,
creio que o amor tem asas de ouro. Amém.
 

IMG_20211205_112926.jpg

 

Poema de Natália Correia
 
Para ouvir Ana Moura e Jorge Fernando
 

 

#diariodagratidao 25-01-2019

25
Jan19

 

 

Ilustração Andrej Mashkovtsev

 

Hoje aconteceu uma coisa que já não via desde Novembro passado: voltei a acordar com o sol a bater na minha janela, a iluminar o meu quarto, daquele amarelo dourado que dura uns breves minutos.  É algo que gosto muito. Chego a acordar mais cedo para poder desfrutar destes instantes. Hoje estou grata por voltar a receber esta visita.