Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Momentos

19.02.15, Alice Alfazema
Ilustração Alyssa Monks   Um dos melhores momentos do dia: quando a água, a ferver, escorre pela espinha abaixo.   Alice Alfazema    

Maio dia 13

13.05.14, Alice Alfazema
 ♥   Hoje é um dia de fé, Fátima, 13 de Maio 2014. Custa-me ver as pessoas desperdiçarem tanto tempo das suas vidas com o negativismo, acreditam sempre mais no lado negativo da coisa, como se não houvesse um avesso por descobrir. Gosto de pessoas de fé, que têm garra, que deixam de lado a vergonha, gosto. Chateia-me que me gozem por acreditar, por que raio não posso eu (...)

O poder da felicidade vem das coisas sem poder?

28.02.14, Alice Alfazema
  Esta página, por exemplo, não nasceu para ser lida. Nasceu para ser pálida, um mero plágio da Ilíada, alguma coisa que cala, folha que volta pro galho, muito depois de caída.   Nasceu para ser praia, quem sabe Andrômeda, Antártida Himalaia, sílaba sentida, nasceu para ser última a que não nasceu ainda.   Palavras trazidas de longe pelas águas do Nilo, um dia, esta pagina, papiro, vai ter que ser traduzida, para o símbolo, para o sânscrito, para todos os dialetos da Índia,

Colorido

29.03.13, Alice Alfazema
  Pintura de Martine Alison O dia a dia é tão cheio de pormenores, no entanto apenas alguns reparam neles. (A esperança refugia-se nos subterrâneos.) Entretanto constava que existiam aranhas luminosas em certos esconderijos de raiva paciente onde os sonhos renasciam com rumor de palavras rigorosas. A derrota parecia tornar tudo mais profundo. Até a superfície que voava das rosas. José Gomes Ferreira, Poesia VI Ali (...)