Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A primeira metade de 2020

20/20

28.05.20, Alice Alfazema
  Ilustração Virginie Cognet   Lembro-me de no principio do ano ter dividido o ano em 20/20. 20/20, são duas metades aparentemente iguais, brevemente esta metade estará completa, o tempo voa, apesar de termos dito que os dias pareciam todos iguais, e o tempo os levou, da mesma forma que leva os dias diferentes, o tempo que rodopia a cada ano, e há quem diga que depois de uma certa idade ainda passa mais rápido, não sei se será verdade.    No entanto, sabemos que estas duas (...)

Fruta

20.05.20, Alice Alfazema
  Se há coisa da qual não abdico é de fruta, todos os dias como fruta, gosto de ver as fruteiras cheias dando cor à cozinha, talvez goste menos de maçãs, a que chamo de pêros, para mim maçãs são as reinetas e as riscadinhas, tudo o resto são pêros. Comer fruta é um ritual mundano, que nos trás todo o sabor conseguido pelos raios de sol, acalenta o paladar, tranquiliza uma refeição, é tema de conversa, é prenda de amigos. Quanto melhor a fruta maior é a felicidade ao (...)

Jardim

Desafio de A a Z

06.05.20, Alice Alfazema
Sentei-me debaixo do jacarandá, e pressionei as minhas costas contra o tronco até sentir os seus nódulos, olhei para cima e vi uma copa violeta de flores, num aglomerado alegre que contrastava com o azul do céu e as pequenas nuvens brancas que eram empurradas pelo vento. Aspirei o perfume, para que pusesse em mim aquela vibração. A casa estava pintada de branco, e as janelas abertas, o João e a Joana discutiam como de costume, nos canteiros estavam cravos vermelhos que dançavam com (...)

Diário dos meus pensamentos (38)

26.04.20, Alice Alfazema
Ilustração  Takeshi Jonoo   A maior parte de nós tem passado as últimas semanas a viver à janela, é através das janelas que estamos também a abrir as nossas futuras portas, e há quem diga que tem medo do futuro, e quem diga que vem aí muita fome, e quem não saiba o que fazer, e quem vá ficar sem o emprego, e quem tenha medo de apanhar a doença, mas haverá um dia em que temos de sair e enfrentar tudo isto. Claro que vai ser assim, mas sempre foi assim, muita gente passa (...)

Diário dos meus pensamentos (36)

24.04.20, Alice Alfazema
  Ilustração Karina Lemesheva   A transformação da nossa energia é uma consequência do ambiente em que vivemos. Esta distância tem sido boa para verificar aquilo que disse na frase anterior. Ao estarmos distantes percebemos melhor o que está mal e o que está bem, o que podemos melhorar, e o que queremos que acabe. Tal como com as flores cada um precisa de uma energia diferente, claro que muitos se identificam, outros nem tanto, há quem se dê melhor na sombra, outros à (...)