Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dia Mundial da Criança

01.06.18, Alice Alfazema
  Ilustração Migle Kosinskaite     Tenho um livro sobre águas e meninos. Gostei mais de um menino que carregava água na peneira. A mãe disse que carregar água na peneira era o mesmo que roubar um vento e sair correndo com ele para mostrar aos irmãos.   A mãe disse que era o mesmo que catar espinhos na água. O mesmo que criar peixes no bolso.   O menino era ligado em despropósitos. Quis montar os alicerces de uma casa sobre orvalhos.   A mãe reparou que o menino gostava (...)

Uma pergunta por dia: Porque não são os pais institucionalizados?

23.10.14, Alice Alfazema
Não gosto que haja cada vez mais crianças institucionalizadas. Privadas de afecto, sem laços, sem memórias felizes. Enquanto aos pais nada lhes acontece, continuam na sua vidinha de sempre, tentando, tentando nada. Alguém me explica porque não são os pais institucionalizados, para que finalmente se consigam quebrar os ciclos viciosos da imensa estupidez que presencio todos os dias.   Uma pergunta até ao final do ano, quem quiser responder esteja à vontade.   Alice alfazema  

Em vai e vem

18.01.14, Alice Alfazema
Todos os anos chegam à escola crianças e adolescentes vindos de instituições, são retirados aos pais, às famílias, vários motivos, várias estórias, vários dissabores e desamores. Todos os anos andam em vai e vem. Chegam sem raízes, sem amigos. Muitos chegam com raiva e em desassossego. Ficam por breves meses. Quando as raízes começam a crescer, quando a raiva começa a acalmar partem. Vão a caminho de outra instituição, vão a caminho de outra escola. Carregam assim as (...)

O tempo hoje é de água

11.04.13, Alice Alfazema
  Os olhos do puto não têm brilho. A sua pele é macilenta. Quando se ri o seu riso limita-se a um pequeno esgar. Está sempre revoltado, com tudo e com todos. Não passou pela infância. Não sabe o que quer, nem o que há por querer. Menos de 1,50 m de altura. Talvez, trinta quilos de peso. Dez anos de idade. As tags do momento são: moda, comida, e sexo.     Alice Alfazema