Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

As bolas e as riscas

24.07.20, Alice Alfazema
Estive a arrumar uma estante e fico sempre surpreendida com o lixo que acumulo. Nestes últimos tempos tenho conseguido livrar-me de bastantes coisas, o truque é fazer aos poucos, e deitar fora sem pensar, mais ou menos como quando esprememos uma borbulha, dói, mas tem de ser. O pior é que eu dantes nem acumulava nada, na Primavera fazia uma razia, agora é isto, mas não pode ser. Para além disso não tenho comprado coisas inúteis. Apenas o indispensável. Há meses que não coloco (...)

Quotidiano elástico

06.06.20, Alice Alfazema
  Ilustração Virginia Soriano Gayarre     Depois de tanto tempo sem ir às compras hoje fui ver as montras e pela primeira vez em meses entrei numa loja, comprei linha de algodão para crochet, elástico e tecido não tecido. Havia muita gente na rua, algumas pessoas andavam de máscara, outras nem por isso, umas tinham-nas ora no queixo, ora com o nariz de fora, as lojas estavam animadas de gente, não que tivessem apinhadas, nalgumas lojas apenas podiam entrar uma pessoa de cada (...)

A primeira metade de 2020

20/20

28.05.20, Alice Alfazema
  Ilustração Virginie Cognet   Lembro-me de no principio do ano ter dividido o ano em 20/20. 20/20, são duas metades aparentemente iguais, brevemente esta metade estará completa, o tempo voa, apesar de termos dito que os dias pareciam todos iguais, e o tempo os levou, da mesma forma que leva os dias diferentes, o tempo que rodopia a cada ano, e há quem diga que depois de uma certa idade ainda passa mais rápido, não sei se será verdade.    No entanto, sabemos que estas duas (...)

Diário doa meus pensamentos (54)

13.05.20, Alice Alfazema
Ilustração Margarita Kukhtina   A escola está uma chatice, não há barulho, nem gritos, nem gente a queixar-se a toda a hora, nem segredos de boca à orelha. Por falar nisso doi-me as orelhas, por causa do elástico da máscara, não consigo olhar-me ao espelho sem que me dê vontade de rir, a minha imagem faz-me lembrar a Maga Patalógica. E quando olho para as outras colegas? Não consigo resistir a uma gargalha, no entanto tenho feito um enorme esforço para me conter. Tenho (...)