Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Hoje, Dia Internacional do Fascínio das Plantas

18.05.21, Alice Alfazema
Fotografia David Germano, Erva-borboleta.   Hoje descobri que é o Dia Internacional do Fascínio das Plantas, interessante esta designação, e por coincidência, nestes longos meses em que não pudemos usufruir completamente do nosso tempo, dediquei-me a observar e a fotografar as flores que encontrei nas redondezas da minha casa. Foi um fim de Inverno e um começo de Primavera mágicos, preenchidos com novos conhecimentos, recordações de infância e agradáveis surpresas vividas (...)

25 de Abril

2021

24.04.21, Alice Alfazema
Se pudesses escolherque cor darias à liberdade? Tens a certeza?Mesmo depois de te ensinarem quevermelhos são os campos,verdes são os lírios eazul é a tempestade? A tua liberdadeé do tamanho do livre-arbítriomultiplicado pela vontade. Nunca uma coisa tão realfoi tão infinitae nunca o infinitofoi tão limitadopara se tornar essencial. Anda, vem brindar connosco;— quem é livre de festejartoma a sua liberdade por gosto!      Poema de Ricardo Jorge Claudino

(a) braços

12.04.21, Alice Alfazema
   Não é por acasoque existe um espaçoentre dois braçoslugar onde se semeiamgerminam e crescemos abraços No espaçoentre dois braçosexauram-se medos e agoniasremovem-se pedras do caminhofecundam-se sonhoscriam-se laços No espaço entre dois braçoscalam-se as vozes e os passosfalam os sentidos consentidosnasce a vertigem de coraçãocom coração sem embaraços Não não é por acasoque existe um espaçoentre dois braçoslugar onde se semeiame crescem os abraços   Poema de (...)

Micro contos - Transparências

09.04.21, Alice Alfazema
Fiquei ali, olhando a pequena abelha, enquanto ela estendia as suas asas brilhantes e transparentes ao sol da manhã que se erguia,  num voo parado e vibrante,  pensei em quantos batimentos de asas por segundo seriam necessários para manter-se assim sem sair do lugar. Aquela dança milenar era aos meus olhos uma novíssima descoberta.