Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

A saturação no casamento

28.06.13, Alice Alfazema
Não há palavras que descrevam as situações.          Em cada casa uma história. Em quadrinhos é mais divertido.     Divirtam-se. Podem ver mais em Gi & Kim os bem casados   Quanto aos homens podem ver que não estão sozinhos nessa epopeia. Em relação às mulheres, podemos ver,  agora, como muita coisa começa a fazer sentido. :)   Alice Alfazema

E o sonho já conta com trinta anos

14.06.11, Alice Alfazema
    Sonhos. Quem não os tiver, homem não será. Faz parte de nós, do consciente e do inconsciente, obriga-nos a progredir na vida, onde todos têm um objectivo principal, a felicidade de cada um.   Os sonhos são muitas vezes, como desertos de areia, fina e cristalina, da qual apenas podemos apanhar alguns grãos, que de tão pequenos são, que seria necessário algo tão pequeno como o próprio grão para o apanhar.   Mas, quando grande, o sonho não se desvanecerá. O homem (...)

O maravilhoso mundo das fadas do lar.

16.08.10, Alice Alfazema
  Não sei como definir, esta sensação de frustação, constante, como as ondas do mar, que batem, batem...que poesia... não interessa, nem que concordem, nem que não leiam, é um desabafo, de mim para eu ou de eu para mim.  Tarefas domésticas, ou um terrorismo silêncioso, um esgar de felicidade? Um fazer constante de inúteis mas úteis tarefas, um fazer de ninguém, um (...)