Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Sobre o cante alentejano

02.12.14, Alice Alfazema
Que bom sermos património imaterial da humanidade, pertencemos agora ao mundo, deixámos de ter vergonha daquilo que fomos, que bom! Já não temos só raízes aristocráticas, que bom! Afinal há um qualquer familiar do povo que nos pertence, pois agora somos da humanidade inteira, e isso é importante,  que bom! Queremos ser sempre importantes, mas para isso é preciso que outros de fora do rectângulo nos digam, que bom!     Parabéns a todos os que nunca tiveram vergonha de (...)