Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Conversas da escola - Técnicas de relaxamento

17.01.19, Alice Alfazema
Miúdo pequeno, grandes olhos verdes, cabelo desalvorado:   - Eu, vim aqui porque a professora Isabel mandou-me beber um leite para me acalmar. - Estás nervoso? - Sim. - E é leite com chocolate? - Sim. - Com chocolate e quentinho, que acalma mais? - Sim. - Então toma lá, senta-te ali e vais bebendo devagarinho. - Está bem.  

Da Arrábida

05.10.10, Alice Alfazema
  Da Arrábida   Alta Serra deserta, donde vejo As águas do Oceano duma banda, E doutra já salgadas as do Tejo: Aquela saudade que me manda Lágrimas derramar em toda a parte, Que fará nesta saudosa, e branda? Daqui mais saudoso o sol se parte; Daqui muito mais claro, mais dourado, Pelos montes, nascendo, se reparte. Aqui sob-lo mar dependurado Um penedo sobre outro me ameaça D (...)

Natureza das coisas

22.09.10, Alice Alfazema
Vazia e calma e livre de si É a natureza das coisas. Nenhum ser individual Na realidade existe.     Não há fim nem princípio, Nem  meio. Tudo é ilusão, Como numa visão ou num sonho.     Todos os seres do mundo Estão para além do mundo das palavras. A sua natureza última, pura e verdadeira, É como a infinidade do espaço.   Buda      

O princípio da atracção

04.09.10, Alice Alfazema
  "Noites quentes e serenas do estio alentejano, o cheiro da atmosfera seca, a ilusão do silêncio pejado de ruídos da terra e cantos de grilos e cigarras, o céu estrelado pairando como um manto negro repleto de pontos cintilantes ou silhuetas prateadas das árvores nas noites de luar, o doce envolvimemto de um bafo cálido que convida à vigília sem pretexto...Não há nada que se (...)