Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

No tempo das amoras

15.08.14, Alice Alfazema
  Pintura David Arms   À sombra das araucárias Não aprofundes o teu tédio, Não te entregues à magoa vã. O próprio tempo é o bom remédio: Bebe a delícia da manhã.   A névoa errante se enovela Na folhagem das araucárias. Há um suave encanto nela Que enleia as almas solitárias...   As cousas têm aspectos mansos. Um após outro, a bambolear, Passam, caminho d'água, os gansos, Vão atentos, como a cismar...   No verde, (...)