Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Azul

12.09.19, Alice Alfazema
  Ilustração  Budi Satria Kwan   O céu, azul de luz quieta, As ondas brandas a quebrar, Na praia lúcida e completa — Pontos de dedos a brincar.   No piano anónimo da praia Tocam nenhuma melodia De cujo ritmo por fim saia Todo o sentido deste dia.   Que bom, se isto satisfizesse! Que certo, se eu pudesse crer Que esse mar e essas ondas e esse Céu têm vida e têm ser.     Poema Fernando Pessoa  

#diariodagratidao 23-06-2019

23.06.19, Alice Alfazema
  Un vento leggero pulisce il cielo, guarda, ha smesso di piovere. Odore di terra bagnata, di salmastro, di fiori. E semplicemente camminare. Camminare fino al blu: la sintesi di un giorno perfetto.     Pintura Tiziana Rinaldi, ver a sua obra aqui.

#diariodagratidao 14-04-2019

14.04.19, Alice Alfazema
  Ilustração Toshio Ebine     o tempo, subitamente solto pelas ruas e pelos dias, como a onda de uma tempestade a arrastar o mundo, mostra-me o quanto te amei antes de te conhecer. eram os teus olhos, labirintos de água, terra, fogo, ar, que eu amava quando imaginava que amava. era a tua a tua voz que dizia as palavras da vida. era o teu rosto. era a tua pele. antes de te conhecer, existias nas árvores e nos montes e nas nuvens que olhava ao fim da tarde. muito longe de mim, (...)

Um detalhe importante

01.11.17, Alice Alfazema
    Nós estamos acostumados a ligar a palavra morte apenas à ausência de vida e isso é um erro. Ao contrário, existem muitos outros tipos de morte, e se faz necessário morrer todo dia um pouco. Caso isso não aconteça, ficamos estacionados, parados num ponto, enquanto o restante do universo continua caminhando, mesmo que lentamente. A morte é ainda mais do que uma passagem, é a indicação de transformação.    Se a semente não morrer, para dar lugar a árvore, os frutos (...)

Azul e azulinho

28.05.17, Alice Alfazema
  Ilustração  Kamilė Krasauskaitė     O mar beijando a areia O céu e a lua cheia Que cai no mar Que abraça a areia Que mostra o céu E a lua cheia Que prateia os cabelos do meu bem Que olha o mar beijando a areia E uma estrelinha solta no céu Que cai no mar Que abraça a areia Que mostra o céu e a lua cheia um beijo meu     Sophia de Mello Breyner Andresen     Clique aqui para ouvir este maravilhoso poema na voz de Maria Bethânia. (...)

O meu tesouro

04.10.14, Alice Alfazema
Hoje sentei-me à beirinha do Atlântico. As suas ondas rasteirinhas vieram ter comigo, fizeram-me festas de sal. Estive assim, por muito tempo, contemplando e sentindo aquela imensa massa azul. Passaram cães e pessoas. Uma abelha pousou na minha toalha amarela, enquanto eu lia. No meu livro uma aranha minúscula poisou entre as páginas, vinda sei lá de onde, sei que conseguem atravessar oceanos, levadas pelo vento, seres minorquinhas que já viveram uma aventura tão grande. A praia (...)

Azul

23.08.14, Alice Alfazema
  O mar beijando a areia O céu e a lua cheia Que cai no mar Que abraça a areia Que mostra o céu E a lua cheia Que prateia os cabelos do meu bem Que olha o mar beijando a areia E uma estrelinha solta no céu Que cai no mar Que abraça a areia Que mostra o céu e a lua cheia um beijo meu       Alice Alfazema