Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Dez anos depois

20.01.19, Alice Alfazema
  Este tipo de agricultura intensiva causa a erosão dos solos, a destruição de linhas de água e a eliminação de corredores ecológicos, além do aumento do uso de fertilizantes e pesticidas que contaminam os sistemas de água.   A recolha das azeitonas é feita à noite o que leva à mortandade de muitas espécies de pássaros. O olival intensivo tem um custo ambiental insuportável para as gerações futuras, diminuindo a biodiversidade e descaracterizando a paisagem natural, (...)

Quercus afirma que “o que se está a passar no Alentejo é a mesma coisa que se está a passar na Amazónia”

02.11.18, Alice Alfazema
  A Associação Ambientalista Quercus denunciou o abate ilegal de “pelo menos mil azinheiras”, na Herdade do Ramalho, no distrito de Portalegre, para dar lugar a um olival intensivo. Contudo, o presidente da associação, João Branco, garante que esta situação é “recorrente”, afirmando que no Alentejo se está a “destruir a floresta para dar lugar a produções intensivas”.   Sobre as denuncias referentes a uma herdade situada no concelho de Sousel e Avis, o dirigente (...)

Crime ambiental no Alentejo - Beja

11.05.18, Alice Alfazema
  Percebi que em Beja não se sai da cidade e as janelas devem estar fechadas. Ninguém viu ou tomou conhecimento do grave atentado ao património que circunda a cidade? É um caminhante que ao deparar-se com a destruição do “povoado da Salvada 10” decide contatar um arqueólogo (a planície, ainda, não viram que já lá não está); e este informou a Direção Regional de Cultura do Alentejo (DRCA). Verificada e constada a sua total profanação:  “Os proprietários foram (...)