Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Almareada

31.05.20, Alice Alfazema
Ilustração Mic Salvagno   E eu que tantas vezes tive a oportunidade de comer e não comi, porque dizia que não gostava, fiquei agora a salivar por lembranças, mas também por sabores, quem sabe não vá passar a gostar.   Ontem comi berbigão da praça. Guardei-lhe o caldo, seus sucos misturados com cebola picada, alho, coentros e azeite. Nesse caldo, cairá, logo mais, o carolo de milho, que farei por almarear* de tanto o mexer com a colher de pau, contrariado-lhe as bolhas e os (...)

Olhos de gato

07.08.19, Alice Alfazema
Gosto de gatos vadios, daquele olhar inconfundível de indiferença perante quem passa. Eu estou aqui, mas só me apanha quem eu quiser.    Quando eu era miúda tinha gatos, mas eram gatos hóspedes, iam a casa quando queriam e nem dormiam por lá, miavam bem alto quando lhes apetecia e participavam em grandes lutas com os gatos dos vizinhos.     Quase todos os nossos vizinhos tinham gatos, não me lembro de cães. Os gatos não eram vacinados e muitas vezes nem tinham nome. Os (...)

#diariodagratidao 08-03-2019

08.03.19, Alice Alfazema
  Obrigada a todas as mulheres que contribuíram para termos os direitos que temos hoje. Obrigada, às que todos os dias procuram mudar o mundo, quer através de pensamentos, quer através de acções. Obrigada, a todas as meninas que querem ser mulheres de plenos poderes. Coragem para todas as outras que têm vontade de se libertar de alguma forma de repressão. Obrigada avó. Obrigada mãe. Obrigada filha. Obrigada sobrinha. Obrigada cunhada.  

Entre malhas

06.11.16, Alice Alfazema
Aprendi a fazer crochet com a minha avó materna, cordão e mais cordão, até sair perfeitinho, com uma agulha e linha fina, cordão fininho de linha branca, " a linha não pode ficar suja, não podes fazer pressão na linha", tenho que ser carinhosa com a linha, para que ela fique imaculada, cordão fininho.   Aprendi a fazer tricot com pessoas amigas, tantas que não sei o nome de todas, fazia-o no comboio, antes de entrar ao trabalho, na hora de almoço, truques que me ensinaram, (...)