Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Estrelas no chão

14.09.21, Alice Alfazema
Fotografia Artur Pastor   Há tantas coisas em que nunca pensámos por falta de tempo! Na esperança, por exemplo. Quem vai perder cinco ou dez minutos a pensar na esperança, quando pode usá-los muito mais proveitosamente a ler um romance ou a falar ao telefone com uma amiga, a ir ao cinema ou a redigir ofícios no emprego? Pensar na esperança, que coisa imbecil! Até dá vontade de rir. Na esperança... Sempre há gente... E ela metida como areia nas pregas e nas bainhas da alma. (...)

Geometria

💋

08.06.21, Alice Alfazema
  Dentro do prisma A base, o vértice De suas três Pirâmides contínuas. Dentro do prisma A Ideia Que perdura e ilumina O que já era em mim De natureza pura. Dentro do prisma O universo Sobre si mesmo fechado Mas aberto e alado. Dentro de mim, De natureza ígnea Uma Ideia do Amado.     Vereis em cada círculo Três dimensões de um todo Aparentemente bipartido. Alfa se refaz. É expansão. E é cíclico. Ómega se contrai Em nova direção. Em essência Alimenta-se Daquela que (...)

De olhos fechados

30.11.20, Alice Alfazema
Ilustração Albert Henry Collins   De olhos fechados olho o espelho, vejo muito mais do que a imagem reflecte. Esse alcance pertence-me. Aparentemente ninguém à minha volta dá por isso. A imagem mental que vejo é por enquanto inatingível, em breve ela ficará reflectida no espelho.       

Poemas cantados

17.06.20, Alice Alfazema
  Ilustração Catherine Chauloux       Que a força do medo que tenho Não me impeça de ver o que anseio Que a morte de tudo em que acredito Não me tape os ouvidos e a boca Porque metade de mim é o que eu grito A outra metade é silêncio Que a música que ouço ao longe Seja linda ainda que tristeza Que a mulher que amo seja pra sempre amada Mesmo que distante Pois metade de mim é partida A outra metade é saudade Que as palavras que falo Não sejam ouvidas como prece nem (...)