Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

25 de Abril

2021

24.04.21, Alice Alfazema
Se pudesses escolherque cor darias à liberdade? Tens a certeza?Mesmo depois de te ensinarem quevermelhos são os campos,verdes são os lírios eazul é a tempestade? A tua liberdadeé do tamanho do livre-arbítriomultiplicado pela vontade. Nunca uma coisa tão realfoi tão infinitae nunca o infinitofoi tão limitadopara se tornar essencial. Anda, vem brindar connosco;— quem é livre de festejartoma a sua liberdade por gosto!      Poema de Ricardo Jorge Claudino

Diário dos meus pensamentos (37)

25 de Abril 2020

25.04.20, Alice Alfazema
  Ilustraçao André Carrilho   Amigo Maior que o pensamento Por essa estrada amigo vem Não percas tempo que o vento É meu amigo também Em terras Em todas as fronteiras Seja bem vindo quem vier por bem Se alguém houver que não queira Trá-lo contigo também Aqueles Aqueles que ficaram (Em toda a parte todo o mundo tem) Em sonhos me visitaram Traz outro amigo também       Zeca Afonso

25 de Abril de 1974 - 2020

25.04.20, Alice Alfazema
Eu cresci a sentir o 25 de Abril, ainda era muito miúda quando a Revolução aconteceu, lembro-me de a minha mãe ir-me buscar à escola, não era a escola primária, mas numa casa de uma antiga professora primária, eu tinha cinco anos, estávamos numa sala única, com mesas pequeninas de madeira, como se fosse uma pré-primária, havia um quadro negro e uma casa de banho minúscula, ficava num primeiro andar, daqueles em que a escada é de madeira e os degraus são demasiado estreitos e (...)