Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Sinta na pele

09.02.19, Alice Alfazema

 

O sofrimento dos animais na campanha e exposição "Sinta na pele".

 

Através de um ensaio fotográfico, a campanha Sinta na Pele mostra que não podemos mais permitir que milhões de animais, todos os dias, sejam torturados e mal tratados.

 

 

 

“É nossa obrigação parar para refletir, despertar e mudar nossa maneira de viver e ver os animais. Vamos sentir na pele o que os animais sentem”, diz a Ampara Silvestre, organização idealizadora da campanha. 

 

 

1.jpg

 

 

Acorrentados. Violentados. Confinados. Traficados. Depenados. Abandonados. Engaiolados. Humanizados. Escalpelados. Torturados. Encarcerados. Explorados. Caçados.

 

É assim, que ao longo dos últimos séculos, o ser humano tem tratado os animais.

 

2.jpg

 

Confinados

 

Para quem vê de fora, isso é só um grande objeto de decoração em que a vida aquática fica indo e vindo. O que não sabem é que não estou desfilando, mas procurando a saída. Alguns de nós se escondem nas pedras ou nos corais, buscando proteção contra as luzes artificiais. Imaginem só, eu poderia ter todo o oceano, ou mesmo um rio, para desbravar, mas fui confinado aqui, nessa caixa de vidro. Tentam reproduzir minha casa usando artifícios, mas ela é única. Ficar aqui nos mata aos poucos. Minha hora também vai chegar. E aí, tudo o que farão é me tirar daqui com uma rede, me jogar na privada, dar descarga e me trocar por outro. Minha vida não vale nada.

 

 

3.jpg

 

Explorados

 

Foi tudo tão rápido que mal deu tempo de desmamar. Nasci, fiquei com minha mãe por alguns dias, fui arrancado dela e, quando vi, estava em uma vitrine. Minha mãe é escravizada. É uma fábrica de filhotes e ninguém se importa com ela. Cachorros como eu, da raça da moda, valem muito. Mas preciso ser vendido rápido, pois quando fico “velho” perco o valor. Posso custar milhares de reais, parcelados no cartão de crédito, ou ainda pior, estar em oferta na Internet. Sou negociado como um objeto. Posso até ter garantia, mas meu destino é incerto. Enquanto isso, milhares da minha espécie apodrecem nos abrigos esperando por uma chance. Um dia o ser humano vai aprender que a estética é o que menos importa, e então o amor irá prevalecer.

 

 

4.jpg

 

 

“Ao longo do tempo, o homem se revelou o mais irracional dos animais. Sua indiferença já maltratou e matou bilhões de seres indefesos. A ganância desenfreada levou à extinção formas de vida insubstituíveis e devastou brutalmente seus biomas, a cada dia 150 espécies são exterminadas do planeta devido à interferência humana. O sofrimento, muitas vezes silencioso, é um grito de socorro desses que não têm voz para se defender. Precisamos evoluir nosso jeito de nos relacionarmos com a natureza. Evoluir e romper este silêncio. A conivência incentiva o crime. O poder de mudança está em nossas mãos. A exploração a que submetemos os animais não-humanos não pode mais ser tolerada.

 

 

Tenha empatia. Reflita. Não se cale. Transforme.

Sinta na pele!”

 

 

Texto e imagens daqui.

 

 

2 comentários

Comentar post