Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Sem papas na língua

23.02.19, Alice Alfazema

 

Ilustração  Cristian Blanxer

 

Durante anos, na minha infância fui obrigada a comer papas de aveia. Aveia fervida com leite, açúcar e casca de limão, no final um gema de ovo. As crostas da aveia a pegar-se à minha língua e a papa a ficar dura e fria. Odeio papas. Come Alicinha, isso faz-te bem.  A colher a aproximar-se da boca e a sentir o vómito a vir. Livrei-me disso. Daquela coisa pegajosa a pairar na boca. Agora são as fotos de comida saudável, é por todo o lado, papas de aveia, papas de aveia...e o vómito a vir. É o pesadelo outra vez, come Alicinha que isso faz-te bem, andas tão amarela.

 

2 comentários

Comentar post