Saltar para: Post [1], Comentários [2], Pesquisa e Arquivos [3]

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Alice Alfazema

Recortes do quotidiano: do meu, do teu, do seu, e dos outros.

Ora vamos lá falar das bolsas concedidas aos alunos do ensino superior...

21.07.17, Alice Alfazema

Conhecerão vocês alguns alunos que recebem bolsa, vulgo dinheiro concedido através da inscrição no programa de acesso a bolsas que o Estado português dá a quem demonstre que não reúne as condições monetárias para prosseguir os seus estudos e precisa de uma ajudazinha.

 

 

O pessoal preenche a papelada, dá os números necessários e tal e tal, e vai daí recebe o dinheirinho para pagar as propinas e a residencial que é outro privilégio de um bolseiro. Até aqui tudo bem, devemos proteger e incentivar os mais desfavorecidos, mas depois acontecem milagres e aparecem bolseiros, aqueles que têm sempre direito ao quarto na residencial e os tais que não reúnem as condições monetárias para pagar as propinas, apresentam-se junto dos outros, os que "os pais ganham muito" e podem pagar as propinas e o alojamento e os transportes públicos e a comida trazida de casa, pois esses meninos e meninas apresentam-se em carros nada baratos, que conduzem diariamente, têm computadores topo de gama, talvez comprados no OLX, e telemóveis daqueles que são mais caros que o ordenado mínimo nacional. Muitos dirão: os culpados são os ciganos. 

 

Poderá haver várias hipóteses para que isto aconteça:

 

1) O carro foi ganho num concurso televisivo.

2) O telemóvel foi-lhes oferecido por um sem-abrigo

3) Enganaram-se a preencher os papéis

4) Outros motivos

 

Quem quiser desenvolver o texto esteja à vontade e utilize a caixa de comentários. Não se esqueça de marcar a sua resposta favorita. O resultado do estudo será revelado dentro de vinte anos.

 

 

Alice Alfazema

7 comentários

Comentar post